‘Quarto de despejo: diário de uma favelada’: obra ganha edição especial e adaptação para teatro

Carolina Maria de Jesus foi catadora de papel e viveu na favela do Canindé, em São Paulo. Foto: Divulgação

Em 2020, a obra “Quarto de despejo: diário de uma favelada” completou 60 anos desde o seu primeiro lançamento. Em comemoração a esse clássico da literatura brasileira, a editora Ática criou uma edição especial, com fotografias e manuscritos originais da autora Carolina Maria de Jesus e prefácio da escritora Cidinha da Silva. Além disso, haverá também um lançamento inédito de uma adaptação do texto para o teatro, escrito por Edy Lima, jornalista, escritora, dramaturga e autora de mais de 50 livros.

Ambos os livros contam com capa assinada pelo artista plástico No Martins, que em seus trabalhos costuma abordar questões como racismo, violência policial e encarceramento em massa, revelando também uma conexão com a obra atemporal de Carolina.

Carolina Maria de Jesus foi catadora de papel e viveu na favela do Canindé, em São Paulo. Apaixonada por livros, ela alimentava sonhos e desabafava a sua triste realidade nas folhas encardidas de seus cadernos, que, mais tarde, tornaram-se públicas por meio desta obra.

A importância de “Quarto de despejo” é extensa pela sua relevância social, pela exposição de desigualdades e pelo clamor por justiça e influência. “Carolina Maria de Jesus cria uma tradição literária na medida em que outras mulheres também oriundas de classes populares passam a escrever sob influência se não estética de conteúdo”, analisa a escritora ganhadora do Prêmio Jabuti, Conceição Evaristo. Além disso, o livro já foi requisito de leitura obrigatória em vestibulares, transformado em peça de teatro, traduzido para 13 idiomas e vendeu, aproximadamente, 100 mil exemplares.

A edição comemorativa da editora Ática (à esquerda) e a adaptação para teatro de Edy Lima. Divulgação

Cotidiano

A trama do livro, em formato de diário, retrata o cotidiano de uma mulher que vive na favela do Canindé, em São Paulo, em busca de alimentar seus filhos. O cenário também recria aspectos históricos da cidade, já que em 1950 surgiram as primeiras comunidades no local.

O conteúdo da obra escancara uma realidade de extrema pobreza, desigualdades sociais, de gênero e de raça; problemas que ainda persistem na sociedade brasileira contemporânea. O formato de escrita expõe o desvio da norma culta do português e, assim, preserva a identidade da personagem, retratando a realidade de muitos brasileiros.

Carolina de Jesus constrói sua narrativa de maneira a mostrar a origem dos preconceitos do país. A partir de sua experiência conta sobre a condição de miséria e segregação dessas populações e gera um debate sobre a inação do poder público em relação à péssima qualidade de vida desses indivíduos e a perpetuação das favelas até os dias de hoje.

A montagem original de “Quarto de despejo” para o teatro, em 1961, teve direção de Amir Haddad – que assina o texto de apresentação do livro de Edy Lima –, e no papel de Carolina, a atriz Ruth de Souza, comadre e grande amiga de Edy. Considerada fundamental para a abertura de caminhos a intérpretes negros nas artes cênicas, na televisão e no cinema, Ruth chegou a visitar a favela do Canindé para compor sua personagem, acompanhada de Carolina e Audálio Dantas, o jornalista responsável pela publicação do diário.

Serviço

Quarto de despejo: diário de uma favelada (Edição comemorativa)

Autora: Carolina Maria de Jesus

Páginas: 264 | Formato: 17 x 24 cm

Preço de capa: R$ 49,90

Quarto de despejo: teatro – Baseado no diário de Carolina Maria de Jesus

Autora: Edy Lima

Páginas: 104 | Formato: 17 x 24 cm

Preço de capa: R$ 49,90

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.