Segunda-feira, 23 de julho de 2018

Programa Diário da Manhã


Ouvir a Rádio Diário Ao Vivo

Presidente do TCE suspende contrato milionário da Susam

Presidente do TCE, Ari Moutinho, concedeu medida cautelar suspendendo contrato da Susam com empresa para compra de reagentes de testes hematológicos. Foto: TCE-AM

O presidente do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), conselheiro Ari Moutinho Júnior, concedeu medida cautelar suspendendo o contrato nº 118//2017 da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam/Cema), com a empresa A. R. Rodriguez e Cia Ltda., para fornecimento de reagentes para testes hematológicos em dez unidades hospitalares da capital no período de 01/10/2017 a 30/09/2018.

A decisão será publicada no Diário Oficial do TCE desta segunda-feira (4) e a Susam será notificada nas próximas horas.

Pedido

Formulado pelo procurador de Contas, Ruy Marcelo Alencar de Mendonça, contra o então secretário estadual de Saúde, Vander Rodrigues Alves, o pedido de medida cautelar alega suposta grave ofensa ao regime jurídico de responsabilidade fiscal, com suspeita de fraude e direcionamento indevido na contratação direta sem exigibilidade de licitação, identificados no projeto básico do contrato, disponível no Portal de Transparência do Estado.

Segundo o projeto básico do contrato, devido a problemas de compatibilidade das máquinas de hematologia, as quais não funcionam adequadamente com reagentes de outras marcas, os produtos deverão, obrigatoriamente, ser da marca Siemens.

No entanto, segundo o procurador, não consta da justificativa do projeto básico, referência a estudos prévios que embasem a escolha e a permanência dessas máquinas, nem mesmo menção a processo de padronização, licitatório de comodato/locação, aquisição ou similar, que esclareçam a preferência por marca nos hospitais do contrato, seja para máquinas ou para reagentes, sugerindo, assim, um possível direcionamento e fraude no processo licitatório em benefício da marca Siemens.

Sem justificativas

Ainda segundo o Ministério Público de Contas, não constam justificativa de preços e comprovação da exclusividade sobre o produto, de modo a justificar a escolha da empresa contratada, assim como não há justificativa da quantidade dos reagentes e a opção pelo regime da grande contratação, pelo prazo de um ano, além de inexistir, no projeto básico, pesquisa de preços que comprovassem a economicidade do contrato, ofendendo o princípio da Responsabilidade Fiscal, em especial ao artigo 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Em sua decisão, tomada na tarde da última sexta-feira (1º), o conselheiro-presidente Ari Moutinho Júnio, admitiu haver indicativos de lesão ao patrimônio público e dilapidação do erário, decorrentes de atos possivelmente ilegais e prejudiciais ao Município, haja vista ter havido contratação direta por inexigibilidade de licitação com diversas irregularidades, conforme vasta documentação apresentada pelo procurador de contas.

Limitações

Segundo ele, o fato de o contrato ter o extrato publicado a praticamente um mês do fim do mandato interino para vigorar por 12 meses, se mostra incompatível com as limitações temporais atualmente em vigor para o período de transição de mandato de governador do Estado, podendo vir a comprometer a futura gestão do respectivo ente Federativo, além de citar, ainda, o alto valor global do contrato, de R$ 7.958.550,00.

Sob pena de multa e possível reprovação das contas, pelo descumprimento da decisão da Corte de Contas, a Susam deverá cumprir imediatamente a decisão do TCE após ser oficialmente notificada, e deverá pronunciar-se sobre as impropriedades apresentadas pelo MPC, num prazo de 15 dias, a fim de produzir defesa e provas eventualmente cabíveis.

Veja também

Criança de 7 anos baleada na cabeça passa por cirurgia e está na UTI. Ela foi atingida durante execu... Foto: Arquivo Uma menina de 7 anos, baleada na cabeça durante uma execução na noite desta quarta-feira (18), no Lírio do Vale, zona Oeste, passou por cirurgia e apresenta quadro de saúde estável. A paciente encontra-se na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sob observ...
Colegiado do TCE julga convênios ilegais de Rio Preto da Eva com Seduc e da Sejel e instituto TCE julgou ilegais convênios firmados entre a Prefeitura de Rio Preto da Eva e a Seduc; e entre a Sejel e o Instituto Unido pela Amazônia. Foto: Ana Cláudia Jatahy/ TCE-AM O Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) julgou, nesta terça-feira (17), ilegais os term...
Ex-prefeitos de Novo Aripuanã recebem multa milionária por irregularidade em contas Colegiado do TCE aplicou multa milionária para dois ex-prefeitos de Novo Aripuanã hoje. Foto: Ana Cláudia Jatahy/ TCE O colegiado do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) desaprovou as contas de 2010 da Prefeitura de Novo Aripuanã e aplicou multa aos ex-prefeitos Hilto...
Em solenidade prestigiada, João Barroso assume o comando do MPC no biênio 2018-2020 João Barroso de Souza assumiu o cargo de procurador-geral do MPC. Foto: Ana Cláudia Jatahy. Aos 40 anos, o procurador de Contas João Barroso de Souza assumiu, nesta segunda-feira (16/07), o comando do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Amazonas (MPC/TCE-AM),...
Ex-prefeito de Barreirinha vai responder por improbidade administrativa MPF ingressou com ação de improbidade administrativa contra ex-prefeito de Barreirinha e ex-secretário. Foto: Arquivo O Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas ingressou com ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Barreirinha (distante 331 quilôme...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook