Quinta-feira, 26 de abril de 2018

Casa noturna é condenada a indenizar clientes expulsas sob acusação de venda e consumo de drogas

Porão do Alemão foi condenado pela Justiça do Amazonas a indenizar, a título de danos morais, duas clientes expulsas do estabelecimento sob acusação não comprovada de suposto uso e tráfico de drogas dentro do estabelecimento. Foto: Divulgação

O juiz titular da 8ª Vara do Juizado Especial Cível da Comarca de Manaus, Marcelo da Costa Vieira, condenou a direção de uma casa noturna Porão do Alemão a indenizar em R$ 18 mil, a título de danos morais, duas clientes expulsas do estabelecimento sob a acusação não comprovada de suposto uso e tráfico de drogas no interior do estabelecimento.

As clientes informaram nos autos processuais que ao se dirigirem, juntas, ao banheiro coletivo da casa noturna e uma delas passou uma chave de carro e um cartão de crédito à outra, quando foram surpreendidas por uma funcionária do estabelecimento que as abordou e acionou os seguranças do local pela ‘atitude suspeita’ das jovens que estariam portando e passando um ‘saco com drogas’, uma para outra.

Expulsas

As autoras da ação afirmaram nos autos que após a chegada dos seguranças, mesmo sem localizarem o suposto ‘saco com drogas’ estes, segurando-as pelos braços, as expulsaram do estabelecimento, levando-as a judicializar o ocorrido com o pedido de indenização por danos morais e prejuízos à imagem e dignidade.

Decisão

Em sua decisão, o juiz Marcelo Vieira menciona que a desconfiança da funcionária da casa noturna se revelou inconsistente uma vez que a posterior intervenção dos seguranças mostrou que ao invés do suposto ‘saco com drogas’ elas portavam, na verdade, uma chave de carro e um cartão de crédito.

“De verdadeiramente relevante da instrução, para fins desse julgamento, é a percepção de que o tumulto foi muito grande, foram as autoras, de fato, expulsas do local pelos seguranças e que a funcionária desconfiou de forma absolutamente insólita que as jovens foram ao banheiro para consumir drogas”, apontou.

O magistrado rechaçou as razões da defesa da casa noturna de que a expulsão do estabelecimento seria justificada pela recusa das clientes em prestar esclarecimentos ao gerente do local.

“A defesa coloca como irregular a recusa das moças em se dirigir até o gerente para prestar esclarecimento, Não é. Irregular é o pensamento diverso como o que permite o direito de condução coercitiva aos seguranças com base em uma suspeita que se revelou infundada”, destacou.

O juiz citou, ainda, que somente o fato das clientes terem sido conduzidas pelos seguranças, mesmo que fosse apenas até o gerente, já revelaria danos à imagem das moças “pois aos olhos dos demais presentes, o julgamento imediato que fica é o de que elas foram pegas cometendo algum ato ilícito”, diz o juiz ao acrescentar que qualquer pessoa, de raciocínio médio, ciente da retidão de seus atos se recusaria a acompanhar os seguranças, os quais não têm poder de polícia.

Danos morais

Pelo ocorrido, o magistrado titular da 8ª Vara do Juizado Especial Cível condenou a direção da casa noturna a indenizar as jovens em R$ 18 mil (R$ 9 mil para cada) pelos danos morais sofridos e destacou inclusive, na decisão, o combate a todas as formas de violência contra a mulher.

“Nada me afasta da percepção de que as autoras, duas jovens de aparência frágil e em um momento em que tanto se combate as práticas de violência contra a mulher, foram expulsas pelos seguranças de forma desrespeitosa e, acintosamente, acusadas por suspeita ilegal que se revelou inexistente”, lembrou.

O magistrado concluiu sua decisão ressaltando que as casas noturnas podem e devem se valer de vigilância ostensiva em suas dependências para inibir a prática de crimes. “Porém, essa precaução não permite que o bom senso seja colocado acima do fiel respeito à imagem do frequentador de bem”, concluiu o juiz Marcelo da Costa Vieira.

Veja também

Operação Banzeiro prende 5 pessoas e indicia 3 por envolvimento com tráfico em Urucurituba Operação foi deflagrada desde as primeiras horas desta manhã, em Urucurituba, cumprindo mandados de prisão e busca e apreensão. Fotos: Bruno Zanardo/Secom A operação Banzeiro chegou a Urucurituba (distante 218 quilômetros de Manaus), cumprindo mandados de prisão, busca e...
Primeiras testemunhas de acusação são ouvidas no caso Deusiane. PM foi morta dentro de quartel em po... Justiça ouve testemunhas do caso na primeira audiência, que demorou cinco horas, aproximadamente. Foto: Raphael Alves/ TJAM O juiz de Direito Luís Márcio Albuquerque, que responde pela Vara da Auditoria Militar da Comarca de Manaus, ouviu nesta terça-feira (24) o depoime...
TJAM condena Manaus Energia a indenizar cliente em R$ 5 mil por cobrança indevida Apelação teve como relator o desembargador Jorge Chalub, cujo voto foi pela condenação da empresa a indenizar cliente por cobrança indevida. Foto: Arquivo TJAM A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJAM) negou provimento a um recurso de apelação interposto pela empre...
Justiça determina ingresso de enfermeiro paraplégico aprovado em concurso da Susam Estado foi condenado a indenizar autor da ação em R$ 10 mil a título de danos morais. Enfermeiro sofreu acidente após passar em concurso público. Foto: Divulgação A 3ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Amazonas negou provimento a um Recurso Inom...
Juiz determina que Prefeitura de Tefé inicie obras emergenciais de asfaltamento sob pena de multa di... Juiz Luíz Cláudio Chaves concedeu liminar em ação civil pública para que prefeitura realize serviços emergenciais de tapa-buraco e recapeamento em Tefé. Foto: Arquivo TJAM A Prefeitura Municipal de Tefé (distante a 523 quilômetros de Manaus) deverá realizar de forma emer...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook