Ex-apresentador do Caprichoso revela transtorno bipolar e nega uso de drogas. Músicas e novo momento em fotos e vídeo

Ex-apresentador do Caprichoso revela transtorno bipolar

Ex-apresentador do Caprichoso revela transtorno bipolar. Cinco anos após deixar o item, Júnior Paulain enfrenta o tratamento e se reencontra em nova fase, compondo e cantando. Na foto, “o melhor por-do-sol do mundo”, em Parintins, no Buteco Du Verçosa

“Estava muito mal. Tive que deixar o boi porque tinha dias de grande euforia e outros de depressão. Chegaram a dizer que eu estava usando coisa errada. Estou há dez anos enfrentando o Transtorno Bipolar. Agora estou bem”. A revelação é do ex-apresentador do Caprichoso Júnior Paulain. Visivelmente feliz, cantando e compondo como nunca, o artista revela-se aliviado com o tratamento. “Há muito preconceito com doenças mentais e até procurar um psiquiatra é um drama”, afirma o médico psiquiatra Luiz Henrique. Júnior Paulain, com coragem renovada, decidiu enfrentar tudo isso.

No caso do ex-apresentador do Caprichoso, que saiu reclamando da diretoria, houve sussurros de que estivesse usando drogas. “Isso me machucou muito”, confessa.

Júnior Paulain começou a apresentar boi muito jovem. Ainda era um menino quando foi apresentar o “Garanchoso”, no Colégio Nossa Senhora do Carmo. Trata-se de uma mistura de Caprichoso e Garantido, para não contrariar os torcedores de ambos. “Eu era estudante da Escola Fundamental Ruy Araújo e fui apresentar um n boi do Colégio do Carmo. Deu a maior polêmica” (risos), diz o apresentar.

O irmão, Israel Paulain, apresenta o Garantido há 18 anos. Durante dez anos (2005-2013 e 2015), o filho mais novo do compositor e radialista Carlos Paulain concorreu com o irmão.

 

Transtorno bipolar

“Durante muito tempo fiquei com vergonha de falar sobre isso. Mas os livros me ensinaram muita coisa. Jô Soares conta, no livro dele, que era acusado de esconder o filho Rafael, autista. Também achei que seria mal interpretado. Achava, quando saí do boi, que as pessoas teriam pena de mim se contasse tudo e preferi calar”, conta Júnior.

Hoje, cinco anos após deixar de ser o apresentador oficial do Caprichoso, Júnior afirma: “Estou no meu melhor momento e me sinto fortalecido para falar sobre isso. Não era nada do que falavam, Eu estava doente e tive que me tratar”, enfatiza.

O artista reconhece que não está curado porque o transtorno não tem cura. “Estou compondo, estou cantando, tocando. Cheguei em momentos, lá atrás, em que nem mesmo pegava no violão. Nem saía minha voz. Parecia que estava sempre rouco”, disse.

“Enfrentei essa euforia, essa mania e, às vezes, essa depressão. Às vezes, a depressão era tão desesperadora que eu não conseguia fazer nada o dia inteiro. Não queria encontrar ninguém. Deixei minha família muito preocupada”, revela.

A decisão de falar sobre a doença é também uma forma de ajudar aos demais. E até virou música. “Fiz ‘Você não está sozinho’ para dizer a quem sofre de depressão os problemas que enfrentei. Fala de depressão, fala de Deus, fala de caminhos. Perdemos o Emiraldo, que se suicidou, e ano passado um percussionista, pessoas próximas e desconhecidas. Perdemos para a depressão, o desespero”, lamenta.

 

Marujada

O início da melhora ocorreu quando ele se reencontrou com o Caprichoso. “Em 2018, o Roca (Rogério de Jesus), me pediu para eu voltar para a Marujada de Guerra. Disse que eu precisava voltar ao palco e que isso seria muito importante. Voltei, fui bem recebido e isso ajudou muito”, afirma.

O ritmo do Caprichoso também foi inspiração para Paulain pai, autor de “Ninguém gosta mais desse boi do que eu”. “A toada virou um hino. Demorei muito tempo para conseguir cantá-la. Depois de tanto tempo, ela conta minha história, que também ‘soa com a Marujada’. Foi lá, no meio da Marujada de Guerra, que me reencontrei”, revela. Fica evidente, mais uma vez, o amor que o ex-apresentador tem pelo Caprichoso.

Júnior canta a toada emocionado. Veja:

 

EP #1NJ (‘Um novo jeito’)

Ex-apresentador do Caprichoso revela transtorno bipolar

A capa do EP #1NJ, numa hashtag que também pode ser traduzida por “um novo Júnior”

O Transtorno Bipolar também estava isolando Júnior Paulain. Agora, recuperado, o artista reencontrou inspiração e parcerias. Arlindo Jr., que luta contra o câncer, e Edilson Santana são parceiros no EP (Extended Play) “Um novo jeito (#1NJ)”.

O trabalho autoral traz cinco faixas que passeiam entre o boi, pop, forró, funk melody e o bumba beat. Edilson Santana, que agora está no Garantido, participou da música “Um novo jeito”. “Queria um retrato mais próximo do meu momento”, conta.

Clique abaixo para ouvir “Um novo jeito”

“Tive um encontro emocionado. O encontro do curumim do Xibelão com o seu ídolo Arlindo Jr., na toada ‘O azul é a cor mais quente’. É uma mensagem de otimismo e confiança na vitória do Boi Caprichoso”, enfatiza o compositor.

No link abaixo você ouve Júnior Paulain e Arlindo Jr. em “O azul é mais quente”:

O Lyric Vídeo já lançado de “O amor tem seu próprio infinito” emocionou o público. “Espero trazer alento aos corações aflitos”, destaca. A música é também um passeio com classe pela sofrência e mostra um Paulain além do boi bumbá. Ouça:

“Vem ser meu ar e silêncio”, outra composição do playlist, aposta no romantismo. “Tem linguagem universal e deve atrair seguidores para o ideal apaixonado do EP #1NJ”, diz.

O novo trabalho, realmente, traz o registro de um novo JR. “Tem a # (hashtag) que marca o momento de reinvenção do artista que se resume em #1NJ, JRPaulain um novo jeito!”.

 

Paciência e sucesso

Nesta sexta (21/06), o EP foi lançado em Parintins no Buteco Du Verçosa, o antigo Bar do Comunas. “É a melhor sexta-feira do ano, a uma semana do maior festival do mundo”, lembra.

Júnior acabou enfrentando um desafio hercúleo para qualquer ser humano. Viu o Buteco Du Verçosa encher e esvaziar. “A gente dependia dos músicos dos bumbás, que estavam ensaiando nos currais. Aí o bar encheu e esvaziou, logo cedo. Os músicos só se desocuparam 1h. Graças a Deus o público voltou e a gente se divertiu noite adentro”, comemora.

Veja também
1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Plínio disse:

    O retorno da ”Fenix… força, fé e determinação. Estamos todos juntos, irmanados pela sua recuperação. Parabéns, jovem Paulain!