Quatro envolvidos na morte de sargento são presos e arma do PM é recuperada

Quatro envolvidos na morte de sargento são presos e arma do PM é recuperada

Quatro envolvidos na morte de sargento são presos e arma do PM é recuperada. Fotos: Divulgação e Reprodução

Quatro envolvidos no latrocínio (roubo seguido de morte) do sargento da Polícia Militar assassinado na noite de quarta-feira (19) foram presos em ação da polícia nas últimas 12 horas em Manaus. O sargento da reserva Luiz Carlos da Silva Castro, 56, foi assassinado após reagir a um assalto, executado pelo grupo, quando fazia segurança numa loja de eletrodomésticos na zona Leste de Manaus.

Quatro envolvidos

Foram presos Josué Ferreira Soares Pires, 19, Joelson Ferreira Soares Pires, 23, Marclei Morais de Souza, 20, e Charles Sanches Morais, 27. Segundo informações repassadas pela polícia, o grupo estaria atrás de fazer um assalto à loja, onde teria R$ 17 mil para o roubo. A arma do sargento foi recuperada durante as prisões, assim como foram apreendidos três revólveres usados no crime.

Quinto procurado

Equipes da Polícia Militar e da Polícia Civil atuaram na rápida elucidação e prisão dos envolvidos. Um quinto elemento, que teria dado apoio ao quarteto, está sendo procurado. Sua identidade não foi divulgada.

O quarteto foi apresentado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) hoje.

As prisões

Equipes das 14a e 30a Companhias Interativas Comunitárias (Cicom) e das Rondas Ostensivas Cândido Mariano (Rocam) foram deslocadas até o Jorge Teixeira, hoje, na rua Samambaia, para deter um dos suspeitos do latrocínio. Joelson foi localizado num barraco sem número, no beco Sambambaia, na rua de mesmo nome.

Ele confessou participação no crime. O terceiro a ser preso foi Charles, que chegou à delegacia acompanhado de um advogado. Também se apresentou na DEHS Marcley.

Veja também
1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. erly disse:

    Meus parabéns ao excelente trabalho da policia.
    Agora me resta esperar que a justiça seja feita, que eles paguem pelo o que fizeram.