Inteligência: a arma contra o crime organizado

​”Percorram o acampamento e ordenem o povo que preparem as provisões. Daqui a três dias vocês atravessarão o Jordão nesse ponto, para entrar e tomar posse da terra que o Senhor, o seu Deus, lhes dá”. Foi o que disse Josué ao povo de Israel, preparando-se para conduzi-los à terra prometida.

​Deus unge Josué com a mesma unção de Moisés, dando-lhe, assim, sabedoria e espírito de liderança, bastando que somente ele cumprisse as leis do Livro Sagrado e nele meditasse dia e noite.

​Pois bem, ao longo do livro de Josué percebe-se, claramente, a sabedoria divina, pois muitas técnicas operacionais utilizadas nos dias atuais pelas Agências de Inteligência espalhadas pelo mundo foram utilizadas por Josué, aproximadamente mil anos a.C.

​O evento mais fascinante é a conhecida batalha de Jericó, quando os Agentes de Inteligência de Josué utilizaram-se da ação de busca denominada “infiltração” (que consiste em colocar um profissional de Inteligência junto ao alvo, com o propósito de obter o dado negado), bem como da técnica operacional de inteligência denominada “estória de cobertura” (que consiste na dissimulação utilizada para proteger as reais identidades dos Agentes de Inteligência).

Vejamos, antes de nos aprofundar, o trecho do livro de Josué, capitulo 2: “Enviou Josué, filho de Num, dois homens, secretamente, como espias, dizendo: Andai e observai a terra e Jericó. Foram, pois, e entraram na casa de uma mulher prostituta, cujo nome era Raabe, e pousaram ali.”

​Muito provavelmente utilizaram, aqui, a estória de cobertura de clientes, até conseguirem se infiltrar e, assim, preservando-se a segurança e sigilo, colher dados operacionais.

Ocorre que os agentes foram “plotados” (terminologia utilizada quando, por algum motivo, o disfarce ou a estória de cobertura são descobertos).

Em outro texto do trecho do capítulo citado, lemos: “Então, se deu notícia ao rei de Jericó, dizendo: Eis que, esta noite, vieram aqui uns homens dos filhos de Israel para espiar a terra. Mandou, pois, o rei de Jericó dizer a Raabe: Faze sair os homens que vieram a ti e entraram na tua casa, porque vieram espiar toda a terra.”

​Rapidamente os Agentes lançaram mão de outra técnica de ação de busca denominada “Recrutamento Operacional” (técnica que consiste em convencer ou persuadir uma pessoa, que não pertence à Agência de Inteligência, a trabalhar em benefício desta). Assim, a colaboradora recrutada emitiu contra informação ao Rei, dizendo: “É verdade que os dois homens vieram a mim, porém eu não sabia donde eram. Havendo-se de fechar a porta, sendo já escuro, eles saíram; não sei para onde foram; ide após eles depressa, porque os alcançareis. Ela, porém, os fizera subir ao eirado e os escondera entre as canas do linho que havia disposto em ordem no eirado. Foram-se aqueles homens após os espias pelo caminho que dá aos vaus do Jordão; e, havendo saído os que iam após eles, fechou-se a porta. Antes que os espias se deitassem, foi ela ter com eles ao eirado.”

​Mas não é só. A história bíblica é recheada de ensinamentos operacionais. Utilizaram-se, também, da técnica operacional de inteligência denominada “Comunicações Sigilosas” (consiste no emprego de formas e processos especiais, convencionados para a transmissão de mensagens durante uma operação), conforme se nota em análise dos versículos 12 e 17 do mesmo capítulo: “Dêem-me um sinal seguro de que pouparão a vida de meu pai e de minha mãe, de meus irmãos e de minhas irmãs, e de tudo que lhes pertence. Livrem-nos da morte.”

“Os homens lhe disseram: “Estaremos livres do juramento que você nos levou a fazer se, quando entrarmos na terra, você não tiver amarrado este cordão vermelho na janela pela qual nos ajudou a descer, e se não tiver trazido para sua casa o seu pai e sua mãe, seus irmãos e toda sua família.”

​Josué foi um Comandante imbatível, pois nenhuma tribo resistiu aos suas investidas, com exceção da batalha de Ai (quando o povo de Israel desobedeceu as ordens de Deus – Comandante Supremo).

​Para vencermos a guerra contra as facções e sermos imbatíveis como foi Josué, precisamos de coragem, obediência, estratégia, disciplina, treinamento, investimento em inteligência e, principalmente, Sabedoria Divina. É momento de parar e refletir sobre o que pode ser ajustado, alinhado; prostrar-se perante Deus com humildade, ungir os Soldados e avançar, que a vitória é certa.

Delegado Guilherme Torres

Delegado Guilherme Torres

* Guilherme Torres é delegado e diretor do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO).

1 comentário
Veja também
1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Marcos disse:

    Acho que a origem da palavra assalto no sentido de ação surpresa e rapidez, vem da Bíblia: “…botas de tropas de assalto manchadas ….”. Forças armadas e de polícia no Brasil e no Mundo usam neste sentido: Fuzil de assalto, Forças de assalto, O pelotão da FEB tomou de assalto a colina defendida pelo inimigo. Existe o roubo e o furto. A mídia e pessoas falam que ocorreu um assalto ou dizem assaltantes. Na verdade ocorreu roubo ou furto.