Sexta-feira, 20 de julho de 2018

Prazo para Lula se apresentar à PF termina; ex-presidente continua em sindicato

Foto: Divulgação-fotos públicas

Terminou às 17h de hoje (6) o prazo estipulado pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal no Paraná, para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se apresentasse voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba. Até o momento, o ex-presidente não se manifestou sobre se irá se entregar à PF. Ele também não fez nenhum pronunciamento desde a expedição de sua ordem de prisão.

Desde ontem (5), quando a ordem de prisão foi emitida, Lula está no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). No sindicato, o ex-presidente reuniu-se com lideranças do partido e seus advogados e passou a noite no local. Do lado de fora, militantes fazem uma vigília em apoio a Lula. Minutos antes do fim do prazo, os manifestantes fizeram uma contagem regressiva. Logo após às 17h, aplaudiram e gritaram: “Não tem arrego”. Muitos gritam que não deixarão o ex-presidente ser preso.

“Relativamente ao condenado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva,  concedo-lhe, em atenção à dignidade cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17h do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão”, decidiu Moro na ordem de prisão.

Polícia Federal

Em Curitiba, o delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula informou que estava negociando com a defesa do ex-presidente para que ele se apresentasse. De acordo com o delegado, não está descartada o prosseguimento da negociação mesmo após o fim do prazo estabelecido pela Justiça.

O delegado disse que a intenção é evitar confrontos, já que o ex-presidente está no sindicato cercado por apoiadores. Igor de Paula acrescentou que é remota a chance de a Polícia Federal entrar no sindicato para prender o ex-presidente.

STJ

Antes das 17h, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer negou habeas corpusprotocolado pela defesa do ex-presidente  para anular o decreto de prisão assinado pelo juiz federal Sérgio Moro.

Na decisão na qual decretou a prisão, Moro explicou que Lula não ficará em uma cela “em atenção à dignidade cargo que ocupou”. De acordo com o juiz, o ex-presidente deve ficar separado dos demais presos para “preservar sua integridade física e moral”.

A prisão de Lula foi decretada com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), fixado em 2016, que autorizou a execução provisória da pena de condenados pela segunda instância da Justiça. Na quarta-feira (4), a defesa do ex-presidente tentou reverter o entendimento, mas, por 6 votos a 5, a Corte negou um habeas corpus preventivo para evitar a prisão.

Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, na ação penal do triplex do Guarujá (SP), na Operação Lava Jato.

Agência Brasil

 

Veja também

Ministro Fachin nega liminar contra eleição de Lafayette Vieira Júnior para corregedor do TJAM Fachin negou liminar que pedia para suspender efeitos da votação que elegeu desembargador Lafayette para Corregedoria-Geral da Justiça do Amazonas. Foto: Raphael Alves/ TJAM O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin negou liminar que pedia para suspender ...
Lula mantido na cadeia por relator original do processo. Veja como ele foi solto, preso, solto e pre... Lula mantido na cadeia por relator original do processo no TRF4, após gangorra entre prisão e soltura O ex-presidente Lula vai continuar preso. A decisão é do relator original do processo, João Pedro Gebran Neto. Ele alegou que "a jurisdição de plantão não exclui prevenç...
Desembargador que trabalhou para PT manda soltar Lula e Moro susta libertação. Veja íntegra da decis... Desembargador que trabalhou para PT manda soltar Lula (foto) e o juiz Sérgio Moro susta a libertação O desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Federal Regional da 4ª Região, mandou soltar o ex-presidente Lula. A decisão foi dada em habeas corpus dos deputados petistas...
MPF pede desarquivamento de inquérito contra senadores Eduardo Braga e Omar Aziz Procuradora Raquel Dodge questiona arquivamento pelo STF de inquérito contra senadores do Amazonas. No agravo regimental, a PGR pede que seja reconsiderada a decisão monocrática do ministro Alexandre de Moraes. Foto: Arquivo A procuradora-geral da República, Raquel Dodge...
Para STF, guardas municipais podem portar armas de fogo no trabalho e na folga O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes decidiu que integrantes de todas as guardas podem portar arma de fogo no trabalho e de folga. Foto Antonio Cruz / Agência Brasil O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes decidiu que ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook