Quarta-feira, 18 de julho de 2018

Programa Diário da Manhã


Ouvir a Rádio Diário Ao Vivo

Por 6 votos a 5, ministros do STF negam habeas corpus preventivo a Lula. Ex-presidente pode ser preso

Por 6 votos a 5, com o desempate da presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, STF negou habeas corpus no qual a defesa de Lula queria impedir eventual prisão dele após ser réu na segunda instância. Foto: Agência Brasil

Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quarta-feira (4) habeas corpus no qual a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva queria impedir uma eventual prisão após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça Federal. A sessão do pleno durou mais de 11 horas.

Os advogados tentavam mudar o entendimento firmado pela Corte em 2016, quando foi autorizada a prisão após o fim dos recursos naquela instância. O julgamento desta quarta-feira durou cerca de nove horas.

Voto mantido

Última a votar, a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, disse que iria manter o mesmo entendimento que marcou seus votos desde 2009, quando se manifestou favorável à possibilidade de prisão após julgamento em segunda instância.

“Tenho para mim que não há ruptura ou afronta ao princípio da presunção de inocência o início do cumprimento da pena após a segunda instância”, disse a presidente da Corte, desempatando o resultado.

Em julho do ano passado, Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a nove anos e seis meses de prisão. Em janeiro deste ano, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) aumentou a pena para 12 anos e um mês na ação penal do triplex do Guarujá (SP), na Operação Lava Jato.

Salvo-conduto

Com a decisão, Lula perde direito ao salvo-conduto que foi concedido a ele pela Corte no dia 22 de março e impedia sua eventual prisão. Com a rejeição do habeas corpus e o fim do salvo-conduto, o juiz federal Sérgio Moro é o responsável por determinar a prisão imediata do ex-presidente.

No entanto, a medida não é automática, porque ainda está pendente mais um recurso na segunda instância da Justiça Federal, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre. Ele também precisa ser comunicado pelo tribunal do fim de toda a tramitação do processo.

Em casos semelhantes na Lava Jato, o juiz determinou a prisão sem esperar comunicação do tribunal. Em outros, aguardou a deliberação final dos desembargadores.

Prisão

Com a rejeição do HC preventivo pelo Supremo, a defesa de Lula esgota as possibilidades de recorrer contra sua eventual prisão. Apesar de a Corte ter negado o pedido, Lula não deve ser preso imediatamente.

É preciso que o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba e responsável pela condenação na primeira instância, emita um mandado de prisão.

Há ainda trâmites processuais pendentes no Tribunal Regional, o que pode retardar a ordem de prisão.

Embargos

No dia 26 de março, a Oitava Turma do TRF4 negou os primeiros embargos e manteve a condenação de Lula, porém abriu prazo para notificação da decisão até  8 de abril, fato que permite a apresentação de um novo embargo pela defesa de Lula.

Para que a condenação seja executada, o tribunal deve julgar os recursos e considerá-los protelatórios, autorizando Moro, titular da 13ª Vara Federal em Curitiba, responsável pela primeira sentença de Lula, expedir o mandado de prisão.

Votaram contra a concessão do habeas corpus no STF: Edson Fachin (relator), Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e a presidente, Cármen Lúcia, última a votar. Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello se manifestaram a favor da concessão por entenderem que a prisão só pode ocorrer após o fim de todos os recursos na própria Corte.

Sem validade

Em uma última cartada para tentar mudar o resultado do julgamento, a defesa de Lula pediu que o salvo-conduto, que foi concedido pelo STF e impedia a prisão do ex-presidente até hoje, permanece válido até outra decisão da Corte em duas ações que tratam, de forma mais ampla, da prisão em segunda instância. Mais uma vez, o pedido foi rejeitado pela maioria dos ministros.

Veja também

Lula mantido na cadeia por relator original do processo. Veja como ele foi solto, preso, solto e pre... Lula mantido na cadeia por relator original do processo no TRF4, após gangorra entre prisão e soltura O ex-presidente Lula vai continuar preso. A decisão é do relator original do processo, João Pedro Gebran Neto. Ele alegou que "a jurisdição de plantão não exclui prevenç...
Desembargador que trabalhou para PT manda soltar Lula e Moro susta libertação. Veja íntegra da decis... Desembargador que trabalhou para PT manda soltar Lula (foto) e o juiz Sérgio Moro susta a libertação O desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Federal Regional da 4ª Região, mandou soltar o ex-presidente Lula. A decisão foi dada em habeas corpus dos deputados petistas...
Oficina de desmanche de veículos é fechada e polícia detém jovem de 18 anos no Petrópolis Foto: Divulgação Após uma denúncia anônima, um desmanche de veículos que funcionava na rua Marquês da Silveira, bairro Petrópolis, na zona Sul de Manaus, foi fechado pela equipe da 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), no final de tarde de quarta-feira (4). Os ...
Dois homens são presos em flagrante assaltando ônibus na avenida Silves Os policiais militares conseguiram adentrar o veículo já parado no meio-fio da avenida e prenderam em flagrante, dois infratores. Foto: Divulgação Policiais da 7ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom),  por volta das 21h de terça-feira (03) foram acionados via celular p...
MPF pede desarquivamento de inquérito contra senadores Eduardo Braga e Omar Aziz Procuradora Raquel Dodge questiona arquivamento pelo STF de inquérito contra senadores do Amazonas. No agravo regimental, a PGR pede que seja reconsiderada a decisão monocrática do ministro Alexandre de Moraes. Foto: Arquivo A procuradora-geral da República, Raquel Dodge...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook