Quinta-feira, 21 de junho de 2018

Que tiro foi esse?

João Lago

João Lago

Fazendo compras em um supermercado, para o almoço do sábado de carnaval, quando fui abordado por uma demonstradora de um energético, devidamente uniformizada com o produto que estava expondo, com uma máscara de carnaval cobrindo-lhe a face. Ato contínuo foi travado o seguinte diálogo:

– O senhor conhece a marca de nosso energético?

– Não.

– Gostaria de prová-lo?

– Sim.

Após colocar a bebida em um copo de café descartável, a demonstradora começou a relatar as qualidades intrínsecas do produto e, como forma de querer agregar valor ao energético, virou-se ficando de frente para mim e apontando para a figura que ilustrava sua camisa perguntou:

– Este aqui é o “fulano de tal” nosso garoto propaganda. O senhor conhece o nosso garoto propaganda?

– Não.

Pude constatar a decepção estampada na face da moça, pois havia destruído o segundo argumento de convencimento que a mesma provavelmente havia sido adestrada para usar com um consumidor em potencial. Assim, frente a um sujeito que se figura fora da curva de distribuição normal, ao ver aproximar-se outro consumidor abandonou-me e passou a utilizar a mesma retórica com o sujeito.  Esse encantado também com as curvas da moça acabou convencido a comprar um litro da bebida e posar para uma foto ao lado da pilha de energético.

Recentemente o apresentador de TV Zeca Camargo foi condenado em primeira instância a indenizar a família de um cantor sertanejo por uma matéria de sua autoria que criticava a cobertura da mídia pelo exagero em uma suposta comoção nacional destinada a um cantor não tão conhecido do público em geral. O sertanejo faleceu em um acidente automobilístico e sinceramente nem eu mesmo o conhecia e também na época concordei com as observações de Camargo. Porém, não era a primeira vez que me via surpreendido pelo falecimento de um cantor que fugia de minha zona de interesse musical, pois quando faleceu o cantor João Paulo, da dupla João Paulo e Daniel, foi que tive conhecimento que os dois existiam. E que me perdoem os fãs de Daniel, mas acredito que a carreira do mesmo foi turbinada na mídia a partir do desaparecimento do seu parceiro de palco. Contudo, minha completa ignorância é explicada pelo interesse mínimo que tenho no novo sertanejo que um tempo atrás era chamado de “universitário”, justamente porque estava na boca dos jovens de uma classe social mais escolarizada.

A literatura de marketing ensina que consumidores podem ser segmentados, pois é natural que mesmo indivíduos aparentemente tão diferentes possam ter alguns comportamentos convergentes, mas o estilo de vida parece determinar uma quantidade maior de padrões similares. Todavia, como nem todo homem é uma ilha, quando determinado tema (da música, literatura etc.) está fora de nossa zona de interesse, em nossos relacionamentos sociais em família, entre amigos e no trabalho, acabamos por ser bombardeados com informações que teriam o destino a vala de nossa ignorância. Neste sentido, um amigo e colega de trabalho lamentou-se comigo de uma música “chiclete” que grudou em sua boca, dessas que uma vez na memória nos remete a cantá-la como zumbis fossemos.  Tratava-se de uma esparrela chamada “que tiro foi esse”. Eu que não a conhecia e satisfeito com essa minha ignorância, fui jogado no abismo cultural que hoje separa o que chamamos de música dessas produções que empobrecem a música popular. Não somente essa música, mas a ascensão de Pablo Vittar como astro do verão brasileiro demonstra que há algo torto na percepção da estética musical. E não se trata do fato do mesmo ser gay, ou de qualquer ojeriza que se possa ter quanto à opção sexual do mesmo, mas o fato da música em si ser muito ruim. Se fosse Djavan cantando a mesma música ainda assim seria péssima. Aliás, a reação de alguns grupos as críticas que se possam existir a Pablo Vittar, atribuindo-as o fato de o mesmo ser gay, não tem consonância ao sucesso que fez o grupo Secos e Molhados na década de setenta no Brasil, cujo vocalista requebrava e dançava com a sensualidade de uma mulher. Vale a pena lembrar que nos anos setenta vivíamos uma ditadura militar e que os chamados “bons costumes” imperava como patrulha de ordem política social. Porém, Ney Matogrosso era (e ainda é) talentoso e quem não deixou de emocionar-se com Rosa de Hiroshima grande sucesso em sua voz. Aqui está a diferença no que seja boa música e o que é simplesmente um ritmo, uma peça dançante que assim como um surto de uma gripe forte que vem, contagiam-nos, faz adoecer e vai-se para nunca mais voltar.

As crianças e jovens passam pela escola pública e pouca atenção se dá a projetos que envolvam fazer conhecer o que a cultura ocidental deixou-nos em séculos de existência, mesmo porque até os mestres que estão ali para ensiná-los são ignorantes a todo esse legado. Crescem sem conhecer Carlos Gomes, Heitor Vila Lobos, Mozart, Beethoven dentre outros clássicos. Vão para as ruas vilipendiar monumentos, prédios históricos, muros de casas com rabiscos grosseiros e jamais se enterneceram frente à obra de Portinari, Di Cavalcante, Monet, Van Gogh. Meninas nas praças e ruas requebram os quadris imitando um ato sexual, achando que dançam, mas nunca em suas vidas viram a leveza de Quebra Nozes, Giselle dentre outros balés. A ignorância se dá pela falta de oportunidade em conhecerem o que há de melhor em artes e a escola que seria o caminho natural para dotar-lhes de um espírito crítico do que seja boa música, dança e arte, preocupa-se mais em discutir a necessidade de ideologias de gêneros e distribuir preservativos para evitar uma gravidez precoce.

Sinceramente posso até ressentir-me de minha ignorância para com a existência de alguns novos cantores sertanejos que trazem boa poesia em suas canções, mas como gostaria de ser um completo parvo e passar alheio a tanta imbecilidade que hoje somos quase que obrigados a conhecer. Não se trata estar fechado para o mundo, mas ter a oportunidade de conhecer e escolher o que mundo tem de melhor para nós e decidir racionalmente qual caminho seguir.

* João Lago é professor universitário, mestre em Administração (Estratégica / Marketing), tem 10 anos de experiência em Logística Empresarial em empresas multinacional e de médio porte. É consultor independente em marketing, logística, finanças e custos. Ex-consultor do Sebrae Nacional em Brasília-DF, Unidade de Administração e Finanças. Experiente no terceiro setor na concepção e manutenção de projetos de captação de recursos, incluindo ações de marketing e administração de contratos. Pós-graduação em Controladoria e Finanças pela Fundace – USP Ribeirão Preto, em 2000. Graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Moura Lacerda em 1998. Francês fluente, inglês e espanhol avançado e um razoável português.

Um comentário para “Que tiro foi esse?

  1. Edson Lopes. disse:

    O que o autor reporta neste artigo entra em consonância com um filme que assistir intitulado: Idiocracy. Esse filme relata uma realidade da nossa
    sociedade que está ficando bestializada e consequentemente saberá cada vez mais de menos. Nosso Planeta Terra é um pequeno ponto no Cosmo. É aqui nesse ponto que está sendo travada todas as batalhas de guerras, de amores, de ódio. Infelizmente o planeta é um campo minado. Como diz o pesquisador Arno Froese, a nossa sociedade será mais justa, humana e sem Mamom se ela estiver alicerçada nas nuances dos 10 Mandamentos.

    Sinopse do Filme Idiocrcy:

    Joe Bauers (Luke Wilson), um americano comum, é selecionado pelo Pentágono para participar de um programa de hibernação. Ele é esquecido no projeto e, 500 anos depois, acorda no futuro. Joe descobre uma nova sociedade e, aos poucos, percebe que as pessoas são completamente idiotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook