Domingo, 22 de julho de 2018

Casa noturna é condenada a indenizar clientes expulsas sob acusação de venda e consumo de drogas

Porão do Alemão foi condenado pela Justiça do Amazonas a indenizar, a título de danos morais, duas clientes expulsas do estabelecimento sob acusação não comprovada de suposto uso e tráfico de drogas dentro do estabelecimento. Foto: Divulgação

O juiz titular da 8ª Vara do Juizado Especial Cível da Comarca de Manaus, Marcelo da Costa Vieira, condenou a direção de uma casa noturna Porão do Alemão a indenizar em R$ 18 mil, a título de danos morais, duas clientes expulsas do estabelecimento sob a acusação não comprovada de suposto uso e tráfico de drogas no interior do estabelecimento.

As clientes informaram nos autos processuais que ao se dirigirem, juntas, ao banheiro coletivo da casa noturna e uma delas passou uma chave de carro e um cartão de crédito à outra, quando foram surpreendidas por uma funcionária do estabelecimento que as abordou e acionou os seguranças do local pela ‘atitude suspeita’ das jovens que estariam portando e passando um ‘saco com drogas’, uma para outra.

Expulsas

As autoras da ação afirmaram nos autos que após a chegada dos seguranças, mesmo sem localizarem o suposto ‘saco com drogas’ estes, segurando-as pelos braços, as expulsaram do estabelecimento, levando-as a judicializar o ocorrido com o pedido de indenização por danos morais e prejuízos à imagem e dignidade.

Decisão

Em sua decisão, o juiz Marcelo Vieira menciona que a desconfiança da funcionária da casa noturna se revelou inconsistente uma vez que a posterior intervenção dos seguranças mostrou que ao invés do suposto ‘saco com drogas’ elas portavam, na verdade, uma chave de carro e um cartão de crédito.

“De verdadeiramente relevante da instrução, para fins desse julgamento, é a percepção de que o tumulto foi muito grande, foram as autoras, de fato, expulsas do local pelos seguranças e que a funcionária desconfiou de forma absolutamente insólita que as jovens foram ao banheiro para consumir drogas”, apontou.

O magistrado rechaçou as razões da defesa da casa noturna de que a expulsão do estabelecimento seria justificada pela recusa das clientes em prestar esclarecimentos ao gerente do local.

“A defesa coloca como irregular a recusa das moças em se dirigir até o gerente para prestar esclarecimento, Não é. Irregular é o pensamento diverso como o que permite o direito de condução coercitiva aos seguranças com base em uma suspeita que se revelou infundada”, destacou.

O juiz citou, ainda, que somente o fato das clientes terem sido conduzidas pelos seguranças, mesmo que fosse apenas até o gerente, já revelaria danos à imagem das moças “pois aos olhos dos demais presentes, o julgamento imediato que fica é o de que elas foram pegas cometendo algum ato ilícito”, diz o juiz ao acrescentar que qualquer pessoa, de raciocínio médio, ciente da retidão de seus atos se recusaria a acompanhar os seguranças, os quais não têm poder de polícia.

Danos morais

Pelo ocorrido, o magistrado titular da 8ª Vara do Juizado Especial Cível condenou a direção da casa noturna a indenizar as jovens em R$ 18 mil (R$ 9 mil para cada) pelos danos morais sofridos e destacou inclusive, na decisão, o combate a todas as formas de violência contra a mulher.

“Nada me afasta da percepção de que as autoras, duas jovens de aparência frágil e em um momento em que tanto se combate as práticas de violência contra a mulher, foram expulsas pelos seguranças de forma desrespeitosa e, acintosamente, acusadas por suspeita ilegal que se revelou inexistente”, lembrou.

O magistrado concluiu sua decisão ressaltando que as casas noturnas podem e devem se valer de vigilância ostensiva em suas dependências para inibir a prática de crimes. “Porém, essa precaução não permite que o bom senso seja colocado acima do fiel respeito à imagem do frequentador de bem”, concluiu o juiz Marcelo da Costa Vieira.

Veja também

Soldado de Carlinhos, traficante e namorado de Bruna, é preso suspeito do assassinato da recepcionis... Preso pela polícia, "Lágrima" estava com o casal no dia em que houve o tiroteio. Na manhã seguinte Bruna foi achada morta no Parque Dez. Foto: Divulgação Foragido da polícia e acusado de homicídios, Frednilson Souza Ribeiro, conhecido como "Lágrima", é um dos principais ...
“Cadáver”, que matou homem decapitado com prato e fez vídeo para o Comando, confessa ter... "Cadáver" aparece no vídeo gravado durante execução de Edivaldo. Ele confessou morte de Lukas Helison. Foto: Erlon Rodrigues/ PC-AM Alan de Almeida Silva, 22, conhecido como “Cadáver”, teve a prisão preventiva representa à Justiça pelo homicídio de Lukas Helison Taveira ...
Prefeito acompanha equipes de vacinação contra o sarampo no Jorge Teixeira Prefeito acompanhou vacinação noturna após vacinadores serem impedidos, um dia antes, de fazer trabalho por causa de ameaças de traficantes. Fotos: Alex Pazuello/ Semcom O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, acompanhou nesta quinta-feira (19), à noite no bairro Jor...
Prefeitura apresenta ao Tribunal de Justiça projeto para agilizar regularização fundiária em Manaus... Proposta de criação de uma Câmara de Conciliação de Regularização Fundiária foi apresentada hoje pelo prefeito ao presidente do TJAM. Foto: Lucas Silva/ Semcom A proposta de criação de uma Câmara de Conciliação de Regularização Fundiária foi apresentada nesta quinta-feir...
TJAM declara inconstitucional lei municipal que obrigava ter uma Bíblia em espaços públicos de leitu... Decisão acompanhou parecer do MP que ingressou com ação em desfavor da legislação, cujo teor contrariava dispositivos da Constituição Federal e também Estadual. Relato foi desembargador Sabino Marques. Foto: Raphael Alves/ TJAM O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook