Segunda-feira, 23 de julho de 2018

Mulheres reais e fictícias

Felix Valois

Felix Valois

Na imponência de seus dezessete anos, meu neto Fábio Junior foi fazer vestibular no Rio de Janeiro para a Faculdade de Relações Exteriores. O tema da redação foi “Mulheres, reais ou fictícias, que influenciaram a História”. Acho que deram muita areia para ser transportada pelos caminhões da juventude, cuja maioria, muito íntima de tablets e celulares, não tem lá uma convivência muito saudável com a leitura, chegando, quando muito e se não exagero, ao almanaque do Biotônico Fontoura. O que não é pouco, se levarmos em conta que Lula se gabava de nunca ter lido um livro. Paciência. Deu no que deu. Acontece, para minha satisfação, que o Campeão, como na intimidade da família chamo o jovem mancebo, escapa dessa vala comum de mediocridade. Basta ver que estuda violino e não dá a mínima importância para o futebol, o que é uma pena, porque poderia ser um aguerrido torcedor do glorioso Fast Clube. Mas o certo é que ele gostou do tema e ainda se gabou para mim de que teve a oportunidade de iniciar um período com “outrossim”, esse advérbio do século treze e que não poucas vezes é empregado de maneira tola e estapafúrdia por aqueles que denomino “escritores de internet”.

Não sei se eu estaria assim tão tranquilo e confiante quanto meu neto. Eu, que nos moldes do computador português, já não guardo muita memória da juventude, mas apenas uma vaga lembrança, talvez não me houvesse com a desenvoltura necessária para enfrentar e superar a concorrência. O que diria eu sobre assunto tão transcendente, eis que vincula o gênero feminino ao próprio desenvolvimento da Humanidade? Cuido que seria impossível não lembrar, logo de cara, de Maria, a mãe de Cristo. Afinal, por mais de dois mil anos vem ela sendo cultuada (adorada, mesmo) por bilhões de pessoas, numa proeza da Igreja Católica, a desafiar o raciocínio lógico. E ainda cultiva heterônimos, pois são muitas e diversas as invocações que a ela se fazem. Minha irmã Zenira, por exemplo, guerreira que já nocauteou dois cânceres, está agora mesmo no santuário de Aparecida, a agradecer à Virgem daquele lugar as vitórias sobre a doença. Já dá para ver que a coisa é séria e a própria virgindade da santa é um fenômeno em si mesma, surgida e mantida, apesar da maternidade, numa época em que a cirurgia plástica não era objeto nem de ficção científica. Tenho, pois, que a Virgem Maria seria a figura emblemática e de proa na redação sob os meus cuidados.

Mas, dirão os implicantes, assim não vale porque houve apelo para o sentimento religioso. Replicaria eu: e daí? Não é por acaso que a maioria esmagadora das pessoas que conheço tem uma crença e só esse fato seria suficiente para espancar as dúvidas sobre a importância de uma figura que se destaca no ramo, mesmo para mim que, dessa matéria, estou afastado desde tempos imemoriais. Superada essa preliminar, cumpriria voltar ao tema e as escolhas já não se revestiriam da universalidade da anterior.

As Elizabetes, da Inglaterra, talvez entrassem na minha linha de exposição. A primeira porque, sem nem mesmo pretender a santidade, insistiu numa virgindade caturra e complicada, responsável inclusive pelo fim de uma dinastia. A segunda, por sua vez, depois de brigar e implicar com a belíssima princesa Diana, apresenta uma longevidade que começa a incomodar seus possíveis sucessores, já ansiosos por ouvirem a tradicional proclamação: “The queen is dead. God save the king”.

No Brasil, especificamente, a nobreza também se faria presente na minha lista, por isso que não me permitiria esquecer a princesa Isabel, que, já nos estertores do império, teve a oportunidade de assinar lei, pondo, afinal e formalmente,  fim àquela chaga da escravidão. É certo que Sua Alteza Imperial não o fez por livre e espontânea deliberação. Os interesses comerciais ingleses há muito tinham tornado inviável o tráfico negreiro e a Lei Áurea foi apenas o reconhecimento de uma situação estabelecida de fato.

Tendo adentrado o terreno das leis, não seria viável deixar de fora dona Maria da Penha que, por força de sua constrangedora situação, levou o legislativo brasileiro a operar um fenômeno: brotou uma lei proibindo o que já era proibido.

Se fosse permitido falar da história pessoal, este modesto escriba com certeza incluiria as professoras Olga Rocha e Neuza Lemos que, com paciência beneditina, produziram em mim o milagre do desemburramento, nos longínquos e saudosos tempos do grupo escolar.

Finalmente, não esquecendo que o tema falava em mulheres reais e fictícias, nesta última categoria eu incluiria dona Dilma Roussef, de cuja real existência até hoje duvido, tamanhas e tão graves foram as trapalhadas em que se meteu no período de tempo em que o povo brasileiro cometeu a insensatez de lhe conferir mandatos.

Acho que o Fábio Junior se saiu melhor. Nem “outrossim” eu usei.

* Félix Valois é advogado, professor universitário e integrou a comissão de juristas instituída pelo Senado Federal para elaborar a proposta de reforma do Código de Processo Penal.

Veja também

Veja os candidatos a presidente definidos nas convenções partidárias PSL lança candidatura de Jair Bolsonaro à presidência da República. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil No primeiro fim de semana de convenções nacionais, os partidos políticos confirmaram cinco candidatos a presidente da República: Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (P...
Edital de Credenciamento do Fundo Manaus Solidária tem 53 organizações sociais aptas O Edital de Credenciamento ajuda a mapear as organizações que desenvolvem trabalhos sociais em Manaus. Foto: Karla Vieira/Divulgação A lista definitiva com os nomes das organizações sociais aptas ao Edital de Credenciamento, do Fundo Manaus Solidária, foi publicada no Diár...
Corpo de turista é encontrado dentro de caverna no AM Foto: Reprodução Após 14 dias de intensas buscas pelo corpo da turista que caiu em caverna depois de tentar tirar uma selfie em local de risco,  na Cachoeira do Santuário, em Presidente Figueiredo,  a equipe do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas encontrou o corpo na ...
Mega-Sena acumula e próximo prêmio deve pagar R$ 72 milhões Foto: Reprodução Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2.061 da Mega-Sena, realizado sábado (210/07) pela Caixa. Os números sorteados foram: 33 - 36 - 40 - 44 - 45 - 54. O prêmio está estimado para R$ 72 milhões no próximo sor...
Eleições presidenciais já têm quatro candidatos confirmados Ciro Gomes, com a neta no colo, confirmou candidatura a Presidente da República. Foto: Divulgação Nos primeiros três dias de convenções nacionais, quatro candidatos a presidente da República foram confirmados pelos partidos políticos: Ciro Gomes (PDT), Paulo Rabello de C...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook