Escolas de samba de Manaus no grupo especial em 2014

O Desfile das escolas do Grupo Especial de Manaus, em 2014, será realizado no Sábado Gordo de Carnaval, dia 1º de março. A última vez que os desfiles ocorreram neste mês foi em 2011, quando o sábado “caiu” no dia 5. Outra vez foi no carnaval de 2008.

Os enredos das oito escolas do Grupo Especial, neste ano, são os seguintes:

G.R.E.S. ANDANÇAS DE CIGANOS – Vou às compras, que legal,  meu destino é a Marechal

O enredo dos Ciganos retrata a rua Marechal Deodoro, localizada no Centro Comercial de Manaus, na dita área há algum tempo conhecida por Zona Franca. A Marechal Deodoro, que inicia na rua Leovegildo Coelho e termina na Sete de Setembro, foi conhecida primeiramente por “Rua das Flores”, depois “Rua do Imperador”. Com a chegada da República, em 1889, anos depois, passou  a ser chamada de rua Marechal Deodoro da Fonseca, primeiro presidente do Brasil. Este enredo, em 2006, foi executado pela G.R.E.S. Ipixuna, no Grupo de Acesso. Agora a escola tricolor da Cachoeirinha, abre os desfiles do Especial, no sábado. A Ciganos detém um título do Grupo principal, em 1984, quando não houve julgamento e as 4 escolas desfilantes venceram: Aparecida, Vitória Régia, ela e mais a Barelândia, do Mestre Maranhão. Foi vice-campeã por duas vezes: 1985 e 1987, e, após ser afastada do carnaval por sete anos, retornou em 1998, no Grupo de Acesso. Ganhou o título em 2001 e 2003, 2005 e 2006. Em 2013 Venceu o Grupo A  (agora com três grupos no Acesso), num empate com a Império da Kamélia, em pontos, mas que no mesmo dia da Apuração das notas, sob protestos da diretoria da Kamélia, recebeu o Troféu de campeã do Acesso. Enredo que se for bem explorado poderá manter a escola tricolor na elite do carnaval. Mas não é e nunca será fácil, abrir um desfile de grandes escolas, seja aqui, em Porto Alegre, São Paulo ou Rio de Janeiro.

 

G.R.E.S. UNIDOS DO ALVORADA – José Aldo: prata da casa, ouro do mundo

A Unidos do Alvorada, jovem escola, fundada em 15/05/1995, no bairro homônimo, é a segunda a desfilar no Sambódromo, no dia 1º de março (ano passado foi a última a desfilar). Em 2013 a escola chegou a um inédito vice-campeonato. Fechou os desfiles das grandes escolas, às 5h20, já com rarefeito público nas arquibancadas. O Enredo de 2014 faz uma homenagem ao lutador amazonense José Aldo, que tem raízes no bairro. Internacionalmente conhecido, José Aldo é hoje, o maior expoente amazonense dos esportes da UFC do MMA. “Prata da casa, ouro do mundo”, tenta de forma literal dar a dica do que a escola poderá apresentar a partir das 21h20 no sábado. Quando há as famosas lutas da coqueluche do momento, do internacional UFC, levas e levas de moradores se aglomeram nos ensaios da escola para assistir o enredo de 2014 entrar em ação. A comunidade da azul e branco está motivada e crente no inédito título. A Alvorada ainda não foi campeão, tanto no Acesso (1998) como no Especial, onde chegou em 1999. Quem sabe, sua hora chegou. “Arrocha Alvorada!”, como bem disse, por primeiro, o antigo intérprete Toinho Sá. Hoje, quem comanda o “boca de ferro” da escola é Wandinho Mocidade, ou, Wandinho Manaus, filho de Montello Lira, um dos fundadores da GRES Mocidade Independente do Coroado. Mais de 3,5 mil componentes enriquecerão as alas da Escola da Zona Oeste de Manaus.

 

G.R.E.S. A GRANDE FAMÍLIA – Ednelza Sahdo – uma estrela em cena.

A grande escola da Zona Leste de Manaus, fundada em 1986 como bloco de enredo e que em 1994 estreou no Especial, ainda em 2001 conquistou seu primeiro título. Açambarcou gente de todos os lados de Manaus. De escola tímida, pequena em estrutura, alcançou em pouco tempo um gigantismo quase inexplicável. A Grande Família traz para o Sambódromo, em 2014, Uma dama do Samba, do Carnaval e no Teatro – Ednelza Sahdo. Ednelza, em seu início no carnaval, carregou nos ombros a extinta escola Império Amazônico, onde, na década de 1970, desfilou pela avenida Eduardo Ribeiro. Passou depois, rapidamente, pela Vitória Régia e, em 1981, chegou à nascente Mocidade Independente de Aparecida. Pronto! Foi amor à primeira vista. Se estabeleceu na escola durante quase três décadas, ostentando a bandeira verde e branca. É considerada, quase que por unanimidade, a maior porta-bandeira de todos os tempos do carnaval amazonense. Ednelza também é atriz, com várias participações importantes nos palcos da cidade de Manaus. A escola da Zona Leste homenageia esta diva, que tem história completa em uma outra escola, mas que virou enredo em uma co-irmã do Especial. Paradoxo? Por volta das 22h40 o “Galo da Zona Leste” adentra na passarela, com sua inconfundível Comissão de Frente e seu gigantismo de alas. Sempre faz um desfile para concorrer ao título. Os sambas da Gigante da Zona Leste são ágeis como a sua bateria. Uma tradição. A “Torcida da Ferradura” estará pronta e eufórica para receber sua amada escola de samba, tão esperada.

 

G.R.E.S. BALAKU BLAKU –  Marapatá, a ilha encantada dos mitos, portal de Manaus, passarela dos mitos.

Quando der meia-noite e a passagem do sábado para o domingo gordo de carnaval em Manaus, eis que a Balaku pisa no asfalto. A batucada da rua Isabel, do Centro Antigo de Manaus, tornou-se bloco de enredo  e, depois de 12 anos, uma escola de samba. Em 1992 já desfilava como convidada no Grupo Especial e a partir de 1994 disputando com as outras grandes escolas, chegando ao vice-campeonato em 1995, na voz marcante do policial Miguel Faria, que compôs mais de 10 sambas pela Águia do Centro. A Balaku Blaku enfrentou, durante o ano de 2013, algumas crises internas, no tocante à mudanças administrativas. Vem realizando desfiles primorosos, como o de 2012, quando falou sobre a cerveja. Na verdade, seu carnavalesco, à época,  Fabiano Fayal, ex- GRES Sem Compromisso e por muitos considerado o “Paulo Barros de Manaus”, fez a diferença. A Águia traz para o Sambódromo o enredo sobre a Ilha de Marapatá, que se localiza em frente a Manaus e a ela é colada geograficamente. A sede, a quadra da agremiação, é localizada no Centro Antigo da capital amazonense e aglutinou, desde o enredo campeão de 2001, sobre Nilton Lins, milhares de torcedores ferrenhos e adeptos de outros bairros. O vermelho e branco das cores da escola estarão dando o tom neste carnaval e a criatividade do carnavalesco e dos seus artistas também. A bateria “Águia de Ouro” traz novamente para a sua batuta o legendário Mestre Major. É esperar pra ver. Lembrando que foi Major quem ousou, pela primeira vez na cidade, por uma escola do Grupo Especial, em 2001, por apenas o surdo de primeira, como faz a Mangueira, no Sambódromo. No Acesso, em 1995, Didi Redman, fez isso pela Primos da Ilha.

 

G.R.E.S. MOCIDADE INDEPENDENTE DE APARECIDA – Centro de amor, Centro de vida: História e alma de um povo

1h40 de Domingo Gordo de Carnaval entra em cena a Mocidade Independente de Aparecida. A escola verde e branco do bairro homônimo apresenta seu samba, interpretado por Wilsinho de Cima (ex-Reino Unido), homenageando o Centro de Manaus. O Centro comercial de Manaus, localizado à beira do rio Negro, era a própria Manaus até a década de 1920. Como se sabe, a capital baré era composta em sua urbe por, no máximo, oito bairros, sendo que cinco deles eram localizados onde hoje é o Centro Comercial antigo da cidade. Com isso, a escola do antigo “bairro dos Tócos” e “Das Cornetas” quer reviver a alma do povo manauara, seu orgulho, seus monumentos e sua história, de uma forma geral. A Mocidade de Aparecida, na bateria de Mestre Zé Carlos, promete mais uma vez inovar no Sambódromo, com paradinhas mais ousadas e a manutenção peculiar de sua cadência. Sempre favorita ao título, a papa títulos de Manaus deve mais uma vez brigar de perto pelo troféu de campeã. Enredo bom, samba competente e carnavalesco afiado. É uma das incontestes favoritas ao título. A expectativa é a de que pelo menos 4 mil figurantes estejam prontos para o desfile da Pareca. O Carnavalesco, já afamado, Saulo Borges, tem nesse ano o auxílio de dois competentes carnavalescos, vindos de outras escolas: Almir Nascimento, ex-Reino Unido, e Fabiano Fayal, ex-Balaku-Blaku e Sem Compromisso. o Samba está bom e deve desempenhar enorme papel no desfile, levando as alas ao delírio.

 

G.R.E.S. REINO UNIDO DA LIBERDADE –  No Reino do Carnaval já sorri, chorei, sambei, e a Liberdade conquistei.

Pela primeira vez em sua história de 33 anos a Agremiação do Morro da Liberdade vai se homenagear. O Bloco Reino Unido, fundado em 1981, vinha apenas “brincar” no carnaval de 1982, com o enredo “Brasil tetra-campeão”, mas a coisa ficou muito séria e, como num lampejo dos meninos do Morro, houve o rápido engrandecimento da entidade, que se tornava escola de samba em 1985 e logo em 1987 chegava ao Grupo Principal, com um honroso 5º Lugar. Em 1988 veio o vice-campeonato e o título inesquecível de 1989, com o enredo “Mãe Zulmira, o amanhecer de uma raça”, o famoso “axé mãe Preta”, no amanhecer na avenida Djalma Batista.  De lá pra cá, para apartar a briga entre Vitória Régia e Aparecida, eis que mais uma grande força surge. O resto a história conta. A partir dali, todo mundo queria ir para o Morro e é nessa história vencedora que a Escola de Samba verde e branco mostrará seus enredos campeões, na voz de Léo, ganhador de um importante prêmio como o melhor intérprete de sambas de enredo da cidade, em 2013. Léo, que estreou na GRES Ipixuna, gravando o seu samba, em 2007, passou depois pela Sem Compromisso e Unidos do Alvorada e chegou ao Morro em 2012, no enredo campeão sobre Dom Bosco. O enredo de 2014 da Escola tem tudo para, a partir das 2h40, fazer o Sambódromo tremer de emoção. A bateria de Mestre Iron Maciel, conhecida como “Furiosa”, não para o ano inteiro, pois sempre está ali no famoso Pagode da Resistência, aos sábados. O último título da agremiação foi o bicampeonato de 2012. A agremiação, que mantém com galhardia o “Reino do Amanhã”,  é respeitada por todas as outras co-irmãs, tal é a seriedade que encara a arte popular. Favorita também ao título. Neilo Batista, Jairo de Paula Beira-Mar, Ivan de Oliveira, Elza Oliveira, o presidente Reginei e tantos outros estão mais do que empenhados em seus ensaios técnicos pelas ruas do bairro, em todos os domingos. Eles não trocam por nada seus ensaios, para eles verdadeiros desfiles, grandes treinos para o grande dia…

 

G.R.E.S.SEM COMPROMISSO – Máquinas da Liberdade, que incendeiam os corações: a história da motocicleta, desde Leonardo Da Vinci.

Agora de casa nova no Nova Cidade, Zona Norte de Manaus, a “Escola dos Tucanos” desfila por volta das 4h (igual ao ano que passou). O enredo faz uma alusão à história das motocicletas e, com a volta de Arlindo Júnior, o “Pop da Selva”, no “boca de ferro”, a escola se sente mais motivada. Seu único título de campeã no Grupo Principal ocorreu com o legendário enredo sobre Joana Galante, ainda na avenida Djalma Batista, em 1986. De lá para cá a agremiação oscilou nas colocações, mas chegou ao vice-campeonato, em 2002. Na direção de Carlinhos Nim, desde 2012 a preto e amarelo da Zona Norte, mas com os pés fincados no Centro da cidade (rua Comendador Clementino), mais uma vez desfilará com muita beleza. Mestre Jymmy, cria da escola, desde o final dos anos de 1980, é quem comanda a bateria há alguns anos, com poucas variações. Bateria essa que “tira leite de pedra” ensinando a garotada a tocar, às vezes pela primeira vez, sempre num aprendizado constante. Nos dois últimos carnavais a diretoria da escola resolveu escolher seus samba por meio de CDs, sem a defesa em quadra, por parte dos compositores e intérpretes. Foi assim no enredo sobre as águas, em 2013, e nesse de 2014, sobre as motos. A história das motocicletas trará algumas inovações na apresentação, coisa que a diretoria faz questão de não adiantar, para surpreender o público presente no já domingo Gordo de Carnaval.

G.R.E.S.VITÓRIA RÉGIA – Da África ao Amazonas, da escravidão à liberdade – 130 anos da Abolição da escravatura

Desde 1990, com o “Nem verde, nem rosa”, e em 1991, quando não houve desfiles em Manaus, no bom samba sobre a viagem de um rei, ou ainda no de 2000, a escola da Praça 14  não fazia um samba tão bem elaborado. Quiçá seja o melhor do ano em Manaus, quer pelo seu andamento, refrão fácil e ao mesmo tempo rico em letra e diferenciado – rimando, por exemplo, num dos refrões,  com “um” no final, sem lembrar os batidos “as” ou “os”. O enredo sobre a antecipação da liberdade dos escravos, por parte do Amazonas, quatro anos antes da oficialização no Brasil (1888) é o tema desse carnaval da verde e rosa. A escola, que nos três últimos carnavais, depois do título de 2010, amargou posições muito aquém do seu vitorioso histórico, promete, ao fechar o desfile, às 5h20 de domingo, levar o caneco para a 14, o dito “Berço do samba”. A escola, sempre grande em número de componentes, neste ano deverá trazer o máximo possível de elementos negros ao seu cortejo momesco. É a escola que mais vezes tocou nesse assunto na cidade e, com seu gigantismo e carisma, pode ser considerada uma das favoritas ao título de campeã do carnaval. “Da África ao Amazonas, da escravidão à liberdade – 130 anos da Abolição da escravatura”, eis o título do enredo e, como citado antes, um samba para entrar na história, com a peculiaridade dos sambas modernos, de andamento rápido e letra ousada, mas sem esquecer da base do samba de raiz, que aqui e acolá ainda se vê em alguns sambas de enredo. Até mesmo as feijoadas dos sambistas, tão amadas e degustadas, mas tão esquecidas pelos compositores, na letra do samba, entrou.

Daniel Sales

Daniel Sales

* Daniel Sales é pesquisador cultural.

Veja também
17 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. DINA AZEVEDO disse:

    BOM DIA ! VC PODE ENVIAR AS LETRAS DOS SAMBAS DE ENREDOS DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL.
    OBRIGADA.

    DINA AZEVEDO

  2. Salles disse:

    Olá! Cara Dina. Nosso próximo texto é sobre os sambas de enredo do especial e, na ocasião, estaremos disponibilizando as letras nesse espaço. Questão de quatro dias, no máximo. Obrigado.

    1. GETULIO disse:

      CADE?????

  3. Cara, que maravilha! Eu precisava mesmo de um dossiê desses completos sobre as escolas. Parabéns e obrigado mais uma vez Daniel! Já vou divulgar por aqui.

    1. Sales disse:

      Nobre Delez, MSc e doutorando Barbieri. Eu é que agradeço seus comentários sobre nossos textos. Esteja sempre à vontade, companheiro.

  4. Marquinnhos Dutam disse:

    Parabéns Daniel Salles, um resumo perfeito e muito bem elaborado, mostrando o quanto você é conhecedor e atualizado do carnaval manauara. Por favor continue participando com seus comentários para multiplicar com todos nós toda a sua sabedoria e experiência. Grande abraço e vamos à folia!!!

    1. Sales disse:

      Obrigado, caro Dutam. Agradeço-vos pelo seu comentário incentivador.

  5. patricia soares disse:

    Estava precisando mt dessas informações. …
    Parabéns!

    1. Sales disse:

      Obrigado, Patricia!

  6. Cleber Damasceno disse:

    Bom dia. Você saberia o contato para compra de mesas e camarotes do desfile?

  7. Sales disse:

    Cléber. Ativa Eventos 3644 1920

  8. Claudio disse:

    Muito bom assim a gente entende um mas um pouco do enrendo da escola eo que ela vai apresentar na avenida, valeu ate ano que vem bom carnaval a todos.

    1. Sales disse:

      Valeu, Cláudio.

  9. Ivanete disse:

    Pessoal Parabéns pela iniciativa, era o que precisávamos, cheguei até vcs por que sou brincante e estava atrás da letra do samba enredo da minha escola e achei todo esse histórico..ano que vem vcs já incluem a letra no histórico, o que acham da sugestão…o carnaval de Manaus só precisa de mais apoio…e divulgação. .

    1. Sales disse:

      Deixa conosco, Ivanete.

  10. GETULIO disse:

    BOM DIA!
    TAMBÉM GOSTARIA DAS LETRAS DOS SAMBAS ENREDOS DAS ESCOLAS…

  11. Sales disse:

    Caro Getúlio. Se ainda a queres, mande seu Email diretamente para o meu.