Projeto para ajudar produtores rurais vence maratona AmazonHacka – Bio Amazônia

A Good Job Tecnologia foi a equipe vencedora do hackathon. Foto: Divulgação/Marcelo Ramos/Instituto Visão Amazônica

A equipe vencedora do hackathon AmazonHacka – Bio Amazônia, promovido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), em parceria com o Instituto Visão Amazônica, é a Good Job Tecnologia.

O resultado foi anunciado durante o encerramento da ExpoAmazônia Bio&Tic, neste sábado (2), no Centro de Convenções Vasco Vasques, zona Centro-Sul de Manaus.

Representando a equipe, Bruno Alencar explicou que o evento serviu para que grandes ideias fossem aproveitadas. A equipe que garantiu o segundo lugar foi a Amaçu. O terceiro lugar ficou para a Logmz.

“Criamos uma plataforma de Marketplace B2B, que gera um fundo social para a comunidade que ajuda os pequenos produtores a desenvolver projetos de beneficiamento e subsidiar recursos para os produtores que perderam suas produções. O primeiro lugar foi inesperado, ficamos todos nervosos. A avaliação do corpo técnico foi muito satisfatória”, disse, ao comemorar o prêmio de R$ 25 mil para financiamento dos projetos, incluindo programas de mentoria com especialistas.

Foto: Divulgação/Marcelo Ramos/Instituto Visão Amazônica

“Nós agradecemos a participação e esforço de todos para que o AmazonHacka alcançasse seu objetivo voltado para o desenvolvimento de ideias e inovações das nossas cadeias produtivas, valorizando nossa bioeconomia. Parabéns aos vencedores, aos mentores, júri, coordenadores, e ao Instituto Visão Amazônica pela execução do hackathon”, comentou o secretário executivo de Ciência e Tecnologia (Sect) da Sedecti, Luiz Herval.

Foto: Divulgação/Marcelo Ramos/Instituto Visão Amazônica

Soluções inovadoras

O AmazonHacka – Bio Amazônia é evento, em formato de maratona, que reúne profissionais e entusiastas de diversas áreas relacionadas à tecnologia da informação, biotecnologia, design, negócios, biologia, entre outras, com objetivo de desenvolver soluções inovadoras e aplicáveis que otimizem o Polo de Bioeconomia como um vetor econômico viável e sustentável.

Participaram as equipes Tupiware, Construnorte, Amaçu, Green Life, Good Job, Amazon IA, Logamz e Amazonicidade. Uma equipe desistiu após a entrega dos produtos.

Especialistas

Após 48h, as equipes foram submetidas ao julgamento de especialistas em cadeias produtivas, ciência e tecnologia. O júri foi composto pelos experts Francisco Almeida, Luiz Antônio, André Luiz Willerding, Leonardo da Silva, Spartaco Filho e Luíz Herval.

“Todos os grupos estão de parabéns. O fato de pensarem em problemas de logística e transporte que estão travando o desenvolvimento do nosso estado, isso é fantástico. Nunca deixem de lado a capacitação”, observou o pesquisador do Inpa, Luís Antônio, representando os jurados.

Avaliação

Segundo o diretor do Instituo Visão Amazônica, Erandir Júnior, a avaliação dos projetos apresentados foi realizada respeitando oito critérios de mesmo peso, divididos em dois grupos: Critérios Gerais (Originalidade e Inovação; Impacto social ; Adequação ao Desafio; e Exposição da ideia) e Critérios Técnicos (Qualidade Técnica; Completude da Solução; Potencial para implementação; e Usabilidade e Experiência do Usuário).

“Acredito que as equipes no terceiro dia se motivaram ainda mais não somente pelo evento, mas por estarem ambientadas e por isso, tiveram mais inspirações trazendo ideias importantes. As equipes estão de parabéns, a coordenação do evento foi um sucesso. Isso mostra que a parceria do Instituto Visão Amazônica com o poder público está dando certo”, finalizou Erandir Júnior.

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.