Economia de Xangai desacelera na indústria e no varejo com surto de Covid-19

Xangai começou a relatar casos de Covid-19, no mais recente surto, no início de março. Foto: Reuters/Aly Song/Direitos reservados

A economia de Xangai, cidade mais populosa da China, desacelerou no primeiro trimestre de 2022 em relação ao final de 2021, prejudicada por raros declínios na produção industrial e nas vendas no varejo, ambas atingidas pelo surto de Covid-19 mais grave do país.

O Produto Interno Bruto (PIB) de Xangai cresceu 3,1% no primeiro trimestre em relação a um ano antes, informou a agência local de estatísticas neste sábado (23), significativamente menos do que o crescimento de 4,8% do PIB nacional durante o mesmo período. Em 2021, o PIB de Xangai aumentou 8,1%.

“Em janeiro-fevereiro, a operação econômica da cidade ficou estável, mas devido ao impacto do surto de Covid em março, o primeiro trimestre foi marcado por estabilidade seguida de declínio”, afirmou o departamento de estatísticas da cidade em comunicado.

Xangai começou a relatar casos de Covid-19, no mais recente surto, no início de março, com as autoridades declarando lockdown de toda a cidade de 25 milhões de pessoas no início de abril, quando as infecções aumentaram.

A desaceleração econômica em Xangai, que não publicou dados do PIB para o quarto trimestre de 2021, deve ter piorado em abril. Seu PIB recuou 6,7% no período de janeiro a março de 2020, quando o novo coronavírus surgiu pela primeira vez.

Agência Brasil

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.