Projeto social do Senac AM arrecada absorventes para doar a mulheres da Casa Mamãe Margarida

A ideia do projeto surgiu dentro da sala de aula da turma de Aprendizagem em Serviços de Vendas. Foto: Divulgação

O projeto social “Absorvendo Amor” começou a receber as doações de absorventes para mulheres da Casa Mamãe Margarida, situada na zona Leste de Manaus. O projeto é desenvolvido por aprendizes do Senac AM. Os interessados podem entregar suas doações na unidade da Cidade Nova, na rua Visconde de Itanhaém, nº 863, Cidade Nova I. A data prevista para a entrega é 5 de abril.

A ideia do projeto surgiu dentro da sala de aula da turma de Aprendizagem em Serviços de Vendas, no bloco temático Laboratório Juventude. Durante as discussões, a turma levantou questões sobre a crise humanitária envolvendo o público feminino. As rodadas de debates levaram a turma ao termo “pobreza menstrual”, que trata de jovens que não têm condições de comprar um item básico de higiene relacionado a este ciclo, ou seja, o absorvente.

“Visando a situação, os aprendizes decidiram criar um projeto cuja intenção é arrecadar absorventes para a Casa Mamãe Margarida, pois atende crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e com vínculos familiares rompidos. Só existirá crise se nós fecharmos os olhos. Por que não resolver? Duas palavras como respostas: empatia e solidariedade”, destaca a professora Jacqueline Pimenta, responsável pela turma.

Para a estudante Raissa Mendonça o tema abordado no projeto é de grande relevância para a sociedade e o grupo de aprendizes, principalmente as mulheres, se sensibilizou bastante com a causa que, segundo ela, pode interferir drasticamente na vida dessas pessoas.

“Não é um problema recente, sempre acontece, gerando isolamento social já que por não ter como comprar o absorvente elas deixam de ir para escola, deixam de frequentar lugares, ficam em casa até o período terminar. Nós aprendizes, principalmente as meninas, nos sensibilizamos mais ainda porque não é bom ver uma pessoa deixando de fazer o que é bom para vida dela, para o futuro, por conta de algo que nós nem deveríamos pagar”, reforça Raissa.

O estudante Rikelme Duarte, que também faz parte do grupo de aprendizes envolvido no projeto, diz que a proposta tem ensinado a ele lições importantes, não apenas para o mundo do trabalho, mas para vida em sociedade.

“O projeto tem contribuído para a minha formação profissional e pessoal. Nós temos aprendido a trabalhar em equipe, a desenvolver atitude colaborativa e a ter iniciativa de mobilizar as pessoas para uma boa causa, que é beneficiar essas mulheres da Casa Mamãe Margarida. A atividade faz com que eu e os demais aprendizes tenhamos uma visão ampla da educação e da vida”, disse Duarte.

Além das doações de absorventes haverá a coleta de latas de alumínio que, posteriormente, serão vendidas em postos de reciclagem. Com o valor arrecadado, a turma irá realizar a compra de mais absorventes.

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.