Caderneta vacinal de indígenas venezuelanos é atualizada pela Prefeitura de Manaus

Além das vacinas de rotina, também foi oferecida a imunização contra a Covid-19 para os imigrantes a partir de 12 anos. Foto: Divulgação/Bosco Freitas/Semsa

A Prefeitura de Manaus realizou na manhã desta terça-feira (30/11) uma ação de multivacinação para atualizar o esquema vacinal de crianças indígenas venezuelanas, que vivem no abrigo Tarumã-Açu 1, na zona Oeste. Além das vacinas de rotina, também foi oferecida a imunização contra a Covid-19 para os imigrantes a partir de 12 anos. Os atendimentos foram feitos por equipes das secretarias municipais de Saúde (Semsa) e de Assistência Social e Cidadania (Semasc).

A Campanha Nacional de Multivacinação, cujo objetivo é a atualização dos cartões de vacina, foi aberta pelo Ministério da Saúde no dia 1º/10, com término previsto para o dia 29 do mesmo mês, mas acabou sendo prorrogada até o dia 30/11.

A chefe da Divisão de Imunização da Semsa, enfermeira Isabel Hernandes, explicou que foram disponibilizados mais de 18 tipos de vacinas para atualizar a carteira vacinal dos imigrantes venezuelanos que chegam ao abrigo e também aplicar os imunizantes contra a Covid-19, entre primeira, segunda e terceira doses.

“No caso específico dos indígenas venezuelanos, pelo menos uma vez por mês fazemos uma avaliação da situação vacinal a fim de assegurar que todos estejam protegidos de doenças para as quais têm meios de prevenção. As ações para esse público precisam ter continuidade, e é o que a prefeitura faz”, disse.

Foto: Divulgação/Bosco Freitas/Semsa

A venezuelana da etnia warao, Oscarlis Romero, de 25 anos, agradeceu pela oportunidade de garantir a proteção dela e dos três filhos pequenos. “Graças a Deus nos trouxeram as vacinas e eu e meus filhos podemos tomar para não adoecermos”.

Orangel Pacheco, de 45 anos, indígena da etnia E’ñepar, aproveitou para tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19. “Esta é uma vacina muito importante para todos nós, refugiados”.

O chefe de Imunização do Distrito de Saúde (Disa) Oeste, Adamor Cavalcante, destacou que muitos imigrantes abrigados no local chegam com o cartão vacinal atrasado, motivo pelo qual a prefeitura realiza esse tipo de ação.

“Eles se encontram, na maioria das vezes, as crianças, com os cartões totalmente atrasados, com vacinas que tomaram ainda em Roraima, e acabam não buscando as unidades de saúde para tomar as doses necessárias. O objetivo dessa nossa ação é justamente proporcionar a essas pessoas, o acesso a atualização da situação vacinal das crianças, jovens e adultos”, informou.

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.