EXCLUSIVO Pesquisador amazonense vai ao ‘Nobel da Energia’ por usar fontes do tucumã e cupuaçu

Pesquisador amazonense vai ao ‘Nobel da Energia’ por usar fontes do tucumã e cupuaçu

O jovem pesquisador Flávio Freitas indicado ao Eni Awards 2022 pelo trabalho “Catalisadores a partir de fontes renováveis”. Fotos: Divulgação

O pesquisador do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) Flávio Freitas, 37 anos, foi convidado a participar do Eni Award 2022. O prêmio é considerado o Nobel na área da energia e sustentabilidade e acontecerá no Palácio Quirinale em Roma, na Itália no segundo semestre de 2022. O pesquisador amazonense foi indicado pelo trabalho “Catalisadores a partir de fontes renováveis”.

De acordo com o pesquisador, o convite é resultado do trabalho inovador. “Fui indicado pelos trabalhos publicados em revistas internacionais sobre a obtenção de catalisadores a partir de fontes renováveis como casca de tucumã, semente de cupuaçu, pedra da pescada para obtenção de biodiesel”, detalhou Flávio Freitas.

O cientista explica que sua pesquisa trata da produção de biodiesel. “É um biocombustível biodegradável, atóxico, livre de enxofre e aromáticos, com um ponto de ebulição superior ao do diesel, e que pode ser obtido a partir de fontes renováveis como óleos, gordura bovina, borras ácidas, manteigas etc…”, detalhou.

Manteiga de amêndoa de tucumã e o catalisador obtido da casca do fruto amazônico.

Pesquisador amazonense vai ao ‘Nobel da Energia’ por usar fontes do tucumã e cupuaçu

Flávio disse que se sente honrado pelo convite para o Eni Awards.

Dedicação à ciencia

Cientista e pesquisador dedicado, Flávio Freitas tem na ciência a fonte para um mundo melhor. Pesquisador do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Flávio recebeu com entusiasmo o convite para o Eni Awards.

“Ser convidado para participar desse prêmio de tamanha expressão é uma honra para um jovem pesquisador brasileiro, pois existem milhares de pesquisas pelo mundo – sendo muitas em universidades renomadas – que buscam contribuir com a obtenção de energia sustentável”, comentou.

Menos poluentes, os catalisadores são um grande alternativa de biodiesel. “Usamos catalisadores heterogêneos obtidos a partir de resíduos abundantes na nossa região como cascas de tucumã, sementes de cupuaçu, pedra da pescada, lodo de estações de tratamento de água. Outra vantagem é que são de fácil manuseio e não causam corrosão nos equipamentos, tais como os catalisadores normalmente utilizados”, finalizou.

Lodo, borra de retífica (cor preta) e pó de pilhas utilizadas (cor marrom) são alguns dos materiais transformados em catalisadores.

Sobre o Eni Awards

O Prêmio Eni é um prêmio concedido pela empresa italiana de petróleo e gás Eni com o objetivo de incentivar o melhor uso das fontes de energia e o aumento da pesquisa ambiental. As rígidas diretrizes de premiação e os nomes notáveis ​​no comitê de seleção (incluindo os ganhadores do Nobel) fazem do Eni um prêmio cobiçado. A lista de vencedores do prêmio Eni inclui ganhadores do Nobel como Harold W. Kroto e Alan Heeger.

 

Especial: Mencius Melo

 

PUBLICIDADE
Veja também
1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. Carlos André disse:

    é de grande orgulho de saber que um amazonense irá participar dessa premiação !