Corpos de últimos dois detentos mortos em chacina são liberados pelo IML

Corpos de últimos dois detentos mortos em chacina são liberados pelo IML

Corpos de últimos dois detentos mortos em chacina são liberados pelo IML. Foto: Arquivo

Nesta segunda-feira (11/06), o Instituto Médico Legal (IML) liberou os dois últimos corpos de detentos do sistema prisional, mortos entre os dias 26 e 27 de maio em unidades prisionais da capital.

O corpo de Paulo da Silva Oliveira, morto no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), foi liberado ainda pela manhã. À tarde ocorreu a liberação do corpo de John Wagner Souza da Silva, morto na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP).

Corpos e identificação

Com essas liberações, o IML concluiu integralmente a liberação para as famílias. Esses dois últimos casos levaram mais tempo em virtude de familiares não possuírem documentos que pudessem auxiliar na identificação.

A diretora do IML, Sanmya Leite, explicou que foram feitos exames necropapiloscópicos e o tempo para a identificação dos corpos foi necessário para a confirmação de informações técnicas por parte da perícia.

IML

“Gostaríamos mais uma vez de destacar o trabalho dos servidores do Instituto Médico Legal, incluindo peritos legistas, peritos odontolegistas, peritos criminais, auxiliares técnicos e administrativos, além dos voluntários que trabalharam diversas horas corridas, estendendo-se até a madrugada para dar resposta à sociedade no menor tempo possível”, afirmou Sanmya Leite.

Organização

Para agilizar a liberação dos corpos na semana das mortes ocorridas nos presídios, o IML fez um trabalho de organização que permitiu tornar mais célere o processo. Foram realizadas coletas das informações post-mortem, coletas de impressões digitais, de sangue, de fotografia e odontograma, além da busca dos prontuários civis das supostas vítimas e as classificações das informações papiloscópicas (digitais).

Também foi feita a digitalização das coletas e dos prontuários para que fosse realizado o trabalho técnico-científico de confrontação, finalizando a perícia necropapiloscópica.

Veja também
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *