Quinta-feira, 21 de junho de 2018

Jabá, faringite e o quinto metatarso

João Lago

João Lago

Estava conversando com a psicóloga Dulce Pinheiro da Silva, minha interlocutora mais constante para assuntos do cotidiano, reportando que duas criaturas que ainda pisam neste planeta quando abrem a boca para cantar invariavelmente comovem-me:  Zizi Possi e Nana Caymmi. Lembro-me que no último show que assisti de Nana Caymmi em Belo Horizonte eu gritava que a amava a cada intervalo de música. Amo sua voz e a capacidade de enternecer-me com sua interpretação, assim como me encanto com a delicadeza sutil da voz de Zizi. Assim, poderia encaixar-me na categoria de fã de ambas colocando-as em um pedestal acima de tantas outras, tão boas quanto, mas a predileção é desprovida de razão absoluta e caminha de braços dados com a minha “leseira baré”, usando uma expressão muito comum de minha terra.

A polêmica sobre a cobertura exagerada da imprensa acerca do procedimento cirúrgico no pé de Neymar, com tomadas ao vivo da porta do hospital, aliada com as manifestações de solidariedade (#forçaneymar) nas redes sociais, talvez tenha alimentado a produção de vários “memes” sobre o tema, muitos deles depreciativos a tietagem e a cobertura da imprensa.  É possível que Neymar seja inocente a tudo isso e mais irracional que a tietagem seria atribuir ao jogador culpa ao comportamento estapafúrdio dos fãs e da imprensa. Aliás, dos fãs pode-se perdoar a irracionalidade, mas parcela da imprensa há muito tempo deixou de somente noticiar o fato, pois passou também a veicular “jabá” (ou mercadologicamente falando merchandising) em tomadas jornalísticas quando falam abertamente a marca de um produto associando-o a notícia. Quantas vezes já observamos um jornalista na porta de um hospital noticiar: “estamos aqui na porta deste hospital para…”; sem jamais dizer o nome do hospital. Até quando faz reportagem dentro de empresas sobre determinado tema específico, diz: “estamos aqui com o gerente de recursos humanos dessa grande empresa…”; sem revelar de qual empresa tratava-se. Essa é a lógica mais constante, todavia, a cobertura de certa emissora de TV sobre a cirurgia de Neymar não cansava de pronunciar o nome do hospital particular, um dos melhores e mais caro da capital mineira. Essa insistência de menções ao nome do hospital em todo o noticiário acendeu-me a suspeita (talvez inverídica) que a emissora de TV tenha afirmado acordo com o hospital para um “jabá” no intuito de criar reputação positiva nos serviços de médicos fornecidos por aquele centro de saúde.

Não há nada de errado em uma emissora de TV usar merchandising em um programa de entretenimento, mas em um programa jornalístico acredito que isso possa gerar conflito de interesse e prejudicar o telespectador, pois a importância da pauta passa não pela relevância do fato, mas por quanto se paga para que a matéria seja veiculada. Nas revistas de informação, quando uma matéria tem um patrocinador, é comum vir destacado que se trata de um informe publicitário, justamente para que o leitor entenda que aquela reportagem está ali com uma finalidade comercial e não porque tem uma relevância jornalística. O consumidor merece respeito, principalmente aquele que consome informação, pois dentre a enormidade de acontecimentos desta aldeia global, o telespectador é um sujeito passivo e os mais fragilizados intelectualmente podem ser manipulados pela pauta dos meios de comunicação. Felizmente, existe a internet e os portais de notícias que produzem conteúdo de informação e, principalmente, as mídias sociais que não deixam passar em branco quando algo foge do normal.

Podem existir aficionados por Neymar, assim como me sinto compelido a amar as vozes de Zizi e Nana, mas não será uma faringite passageira na goela de uma delas que irá tirar-me uma bela noite de sono.

 

* João Lago é professor universitário, mestre em Administração (Estratégica / Marketing), tem 10 anos de experiência em Logística Empresarial em empresas multinacional e de médio porte. É consultor independente em marketing, logística, finanças e custos. Ex-consultor do Sebrae Nacional em Brasília-DF, Unidade de Administração e Finanças. Experiente no terceiro setor na concepção e manutenção de projetos de captação de recursos, incluindo ações de marketing e administração de contratos. Pós-graduação em Controladoria e Finanças pela Fundace – USP Ribeirão Preto, em 2000. Graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Moura Lacerda em 1998. Francês fluente, inglês e espanhol avançado e um razoável português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook