Quinta-feira, 21 de junho de 2018

STF autoriza transexual a alterar registro civil sem cirurgia de mudança de sexo

Com a decisão, o interessado poderá se dirigir diretamente a um cartório para solicitar a mudança e não precisará comprovar sua condição, que deverá ser atestada por autodeclaração. Foto:Divulgação Secom Maceio

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (1), autorizar transexuais e transgêneros a alterarem o nome no registro civil sem a realização de cirurgia de mudança de sexo. O julgamento começou ontem, quando já havia maioria de votos definindo a questão, e foi finalizado no início desta tarde, com os votos restantes.

Com a decisão, o interessado poderá se dirigir diretamente a um cartório para solicitar a mudança e não precisará comprovar sua condição, que deverá ser atestada por autodeclaração. A Corte não definiu a partir de quando a alteração estará disponível nos cartórios.

Apesar de a votação ter sido definida por unanimidade, a Corte divergiu em parte do voto do relator, ministro Marco Aurélio. Na sessão de ontem, o ministro votou contra a obrigatoriedade da cirurgia, mas, conforme seu entendimento, a decisão valeria somente para transexuais, a depender de decisão judicial prévia, com base em laudo médico e seria aplicável somente a maiores de 21 anos.

Para a maioria dos ministros, a medida deveria ser estendida a transgêneros, sem a necessidade de comprovação médica, por tratar-se de medida discriminatória. Com base no mesmo argumento votaram os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e a presidente, Cármen Lúcia.

Recurso

A votação do Supremo ocorre em recurso de transexual contra decisão da Justiça do Rio Grande do Sul, que negou autorização para que um cartório local aceitasse a inclusão do nome social como verdadeira identificação civil. Os magistrados entenderam que deve prevalecer o princípio da veracidade nos registros públicos.

O nome social é escolhido por travestis e transexuais de acordo com o gênero com o qual se identificam, independentemente do nome que consta no registro de nascimento.

Ao recorrer ao Supremo, a defesa do transexual alegou que a proibição de alteração do registro civil viola a Constituição, que garante a “promoção do bem de todos, sem preconceitos de sexo e quaisquer outras formas de discriminação”.

“Vislumbrar no transexual uma pessoa incapaz de decidir sobre a própria sexualidade somente porque não faz parte do grupo hegemônico de pessoas para as quais a genitália corresponde à exteriorização do gênero vai frontalmente contra o princípio de dignidade humana”, argumentou a defesa.

Atualmente, transexuais podem adotar o nome social em identificações não oficiais, como crachás, matrículas escolares e na inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), por exemplo. A administração pública federal também autoriza o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de travestis e transexuais desde abril do ano passado.

Agência Brasil

Veja também

Fato ou Boato? Justiça do AM peita STF e transforma comissários em delegados. Boato. Veja explicação... Fato ou Boato? Justiça do AM peita STF e traz de volta delessários? Boato. Advogado mostra que decisão de juíza amazonense contempla aprovados em concurso de delegado O Governo do Amazonas está obrigado a nomear um grupo de 53 delegados aprovados no concurso de 2001. A d...
Braga e Omar inocentados no STF em inquérito que apurava propina na construção da Ponte Rio Negro O ministro Alexandre de Moraes disse que o inquérito, após 15 meses de investigação, não conseguiu reunir provas da acusação contra os senadores Eduardo Braga e Omar Aziz. Foto: Arquivo Por falta de provas, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, man...
TSE decide se réus em ação penal podem ser candidatos à Presidência; Lula e Bolsonaro na mira Ao menos dois pré-candidatos à Presidência encontram-se em condição de réus: Lula e Bolsonaro. O ex-presidente segue preso. Foto: Reprodução O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve decidir nesta terça-feira (29) se um cidadão que se tornou réu em ação penal pode ser can...
A maternidade fora do cárcere: Presas retomam a vida junto dos filhos após decisão do STF Quando foi presa pelos policiais, em setembro do ano passado, Taiane Gonçalves ainda estava amamentando o filho Enzo, de 1 ano e 8 meses. Durante cinco meses, ela só teve notícias do bebê, seu primeiro filho, por meio de parentes, pois não queria que ele frequentasse o Centr...
Defensoria acompanha pedidos de liberdade e prisão domiciliar a presas grávidas e mães de crianças... Defensoria aguarda resposta do Judiciário para pedidos de prisão domiciliar ou de liberdade para mulheres beneficiadas pelo habeas corpus coletivo concedido pelo Supremo. Foto: Divulgação A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) aguarda a resposta do Poder Jud...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook