Terça, 17 de julho de 2018

Programa Diário da Manhã


Ouvir a Rádio Diário Ao Vivo

Unicef diz que 7 mil recém-nascidos morrem por dia no mundo. Do total, 46% não sobrevivem ao primeiro mês de vida

Todos os dias, 15 mil crianças de até 5 anos morreram no mundo em 2016, segundo relatório divulgado pela Unicef ontem. Foto: Reprodução

Agência Brasil

Todos os dias, 15 mil crianças de até 5 anos morreram no mundo em 2016, sendo que 46% – ou 7 mil delas – não resistiram aos primeiros 28 dias de vida, segundo um novo relatório divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) nessa quarta-feira (18).

Apesar de uma queda na mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre as vítimas subiu de 41% para 46% no período, indicou o órgão, que é ligado à Organização das Nações Unidas – ONU.

“Desde o ano de 2000 as vidas de 50 milhões de crianças menores de cinco anos foram salvas, um testemunho do sério compromisso para enfrentar as mortes infantis que podem ser prevenidas”, disse em comunicado o chefe de Saúde do Unicef, Stefan Peterson.

“Mas, a menos que façamos mais para evitar que bebês morram perto de seu nascimento, esse progresso permanecerá incompleto. Temos o conhecimento e a tecnologia requerida, só precisamos que isso chegue aos que mais precisam”, explicou.

O relatório diz que, caso a tendência se mantenha, 60 milhões de crianças menores de cinco anos morrerão entre 2017 e 2030.

O estudo foi elaborado pelo Grupo Interinstitucional para a Estimativa da Mortalidade Infantil das Nações Unidas, que inclui Unicef, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Banco Mundial.

“Apesar do progresso, ainda existem amplas disparidades em sobrevivência na infância entre regiões e países. No entanto, muitas das mortes podem ser prevenidas com intervenções de baixo custo antes, durante e depois do nascimento”, disse o subsecretário para Assuntos Econômicos e Sociais da ONU, Liu Zhemin.

Disparidades

Essas disparidades entre países se refletem na concentração de mortes de recém-nascidos, com 39% no sudeste da Ásia, sendo que, desse percentual, 24% ocorrem na Índia e 10% no Paquistão.

A África Subsaariana, por sua vez, registrou 38% das mortes de bebês no mundo, das quais 9% ocorreram na Nigéria. Na região, um em cada 36 recém-nascidos morreu. Nos países desenvolvidos, esse índice é de 1 a cada 333.

Entre os menores de cinco anos, as principais causas de morte foram a pneumonia e a diarreia. Por isso, o relatório indica que as soluções passam por melhorar o acesso aos profissionais de saúde durante a gravidez e o nascimento e fazer intervenções em matéria de imunização, lactação e remédios de baixo custo, além de ampliar o acesso à água potável e saneamento básico.

Veja também

OMS inclui vício em videogame em classificação internacional de doença   Foto: Reprodução Internet   A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou hoje (18) a nova Classificação Internacional de Doenças (CID), um sistema que foi criado para listar, sob um mesmo padrão, as principais enfermidades, problemas de saúde pública e...
OMS: um em cada seis idosos sofreu abuso ao longo do último ano Cerca de um em cada seis idosos sofreu tipo de abuso ao longo do último ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O índice representa um total de 141 milhões de idosos em situação de abuso em todo o planeta. No Dia Mundial de Conscientização sobre o Abuso ...
Até agora, menos da metade dos amazonenses se vacinaram contra gripe  Faltando apenas duas semanas para encerrar a campanha de vacinação contra a gripe, 28,4 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar em todo o Brasil. O balanço é do Ministério da Saúde e mostra que menos da metade das pessoas que fazem parte do público-alvo, tomou a vac...
Governo do Amazonas firma parceria com o Unicef para ações de proteção à infância A parceria com a Unicef foi firmada nesta terça-feira (16/01), na sede da Seas. Foto: Divulgação O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), Fundo de Promoção Social (FPS) e das demais Secretarias de Justiça, Direitos Humanos e C...
Falhas banais e evitáveis em hospitais são a segunda causa de morte no país Em média, 829 mortes foram registradas, por dia, a cada 90 segundos no Brasil em hospitais públicos e privados em 2016. Foto: Arquivo Agência Brasil Falhas banais como erros de dosagem ou de medicamento, uso incorreto de equipamentos e infecção hospitalar mataram 302....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook