Cotidiano

Felix Valois

Felix Valois

Nas regras de trânsito, há uma placa redonda com a letra “E” em cor preta, cortada por uma faixa diagonal vermelha. O símbolo indica que é proibido estacionar naquele local. O bonitão vem, para o carro bem ao lado do poste que contém a advertência, salta e vai tranquilamente às compras ou a outras atividades menos cotadas. Assim mesmo, com uma singeleza enternecedora, na certeza de que a proibição a ele não diz respeito, já que, muito atarefado, não se pode preocupar com nonadas. Afinal, raciocina o herói, sua condição especial, de pessoa grada na sociedade, há de funcionar como escudo contra qualquer desavisado que pretenda admoestá-lo.

Houve um tempo em que isso era qualificado como “falta de educação cívica”. Não sei nem se há necessidade de adjetivar a expressão, mas que a atitude traduz uma completa ausência de educação de todo tipo, lá isso é verdade. E de noções básicas de cidadania. A convivência social não se estabelece em bases harmônicas se cada indivíduo se considerar exceção às regras comuns.

Quer ver outro exemplo, ainda tomando como pano de fundo o tráfico de veículos? Vamos lá: qualquer infeliz sabe que, salvo situações excepcionais e expressa permissão da autoridade, é vedado parar ou estacionar o veículo em fila dupla. Em tripla, nem se fala. Pois bem: o sujeito para em fila dupla, desliga o carro, aciona o pisca-alerta e vai embora com uma tranquilidade de fazer inveja a um monge. Acho que estou cientificamente desatualizado. Um pândego que costuma agir dessa forma, já me deu uma explicação arrasadora: como o sinal de alerta está funcionando, os outros motoristas hão de considerar que é como se o carro do sabido ali não estivesse e podem passar sem nenhum problema. Já se vê que é um processo revolucionário de desmaterialização.

A cena também é comum na frente de escolas, principalmente daquelas destinadas ao maternal e ao jardim. Madames enfeitadas e perfumadas, com justa razão preocupadas com o bem-estar de seus pimpolhos e ao fito de não se atrasarem para a academia de ginástica, largam os veículos no meio da rua, vão entregar as respectivas crias aos monitores do colégio e voltam como se estivessem desfilando nas passarelas mais afamadas da moda.

Tudo falta de cidadania, em cujo conceito básico está o respeito pelo direito alheio. Em outro plano, uma dessas senhoras, num caixa eletrônico de banco, é uma tragédia para quem teve a infelicidade de entrar na fila depois dela. Ela tira os óculos escuros, abre uma bolsa gigantesca e dela saca o estojo para acondicionar o objeto. Superada essa preliminar, de outro estojo surgem os óculos de leitura. Com estes bem ajustados no lugar devido, inicia-se a busca pelo cartão a ser usado na máquina, coisa que não é tão simples quanto parece. Primeiro, há que lembrar em qual das cinco bolsas menores, que a maior comporta, está o cartão. Ei-lo que surge, brotando de um emaranhado de quinquilharias em que os produtos de maquiagem e os pentes têm lugar de destaque. Mas a madame não tem certeza de se aquele é o cartão adequado para a época. Por isso, ela o insere e dá os comandos para a obtenção do saldo. Com este em mão, ela decide que lhe é mais conveniente o uso de outro cartão e todo o mecanismo de busca se reinicia até que, afinal, depois de mais de trinta minutos, a boa senhora consegue realizar seu objetivo. Arrumadas todas as suas tralhas, com os óculos de sol de volta às origens, sai ela lépida e fagueira, não sem um educado cumprimento às vítimas de sua peripécia: “Tenham um bom dia”. Como se fosse possível.

Voltando ao trânsito, indiscutivelmente o melhor cenário para essas ações contra a cidadania, é preciso concluir dando a vez aos pedestres, alguns dos quais fazem questão de concorrer em igualdade de condições com motoristas mal-educados. O camarada está a não mais de dez metros da passarela que atravessa a avenida de intenso tráfego. Usá-la? Claro que não. Dá muito trabalho subir todos aqueles degraus. E lá se vai o infeliz numa corrida insana, a se desviar de carros e motos, com a esperança de chegar vivo ao outro lado.

Falei em motos. Mas isso fica para outra vez. Essa loucura exige um capítulo à parte.

* Félix Valois é advogado, professor universitário e integrou a comissão de juristas instituída pelo Senado Federal para elaborar a proposta de reforma do Código de Processo Penal.

Veja também

Guias do IPTU 2018 já podem ser emitidas via internet A estimativa é de uma arrecadação de R$ 220 milhões do IPTU 2018, ou seja, 52,5% do valor lançado neste exercício. Foto: Marcio James/Semcom. A Prefeitura de Manaus concluiu nesta quinta-feira, 18/1, o lançamento anual do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em seu ...
Provas do concurso da Semed serão aplicadas no domingo para mais de 22 mil candidatos Os candidatos que estão concorrendo às 400 vagas para professor e formação de cadastro de reserva da Secretaria Municipal de Educação (Semed) vão realizar as provas neste domingo, 21/1. A avaliação será realizada pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Executivo (Ibad...
Corpos Artísticos do Amazonas oferecem vagas com salários de até R$ 5,5 mil As vagas são para bolsistas, músicos profissionais, coralistas e bailarinos profissionais. Foto: SEC/Divulgação A Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC), por meio do Governo do Amazonas, iniciou inscrições para Processo Seletivo, com audição interna e extern...
Dia Nacional do Fusca será comemorado com exposição de carros antigos Pelo menos 150 fuscas vão ficar expostos no Largo de São Sebastião. Foto: Divulgação Neste domingo (21/1), a partir das 8h, o Largo de São Sebastião será cenário de uma exposição de carros antigos em comemoração ao Dia Nacional do Fusca. O evento, que tem entrada franca, s...
Serviço: advogados lutam por vaga de desembargador. Veja os prazos e nomes de concorrentes Advogados lutam por vaga no TJAM. Veja alguns prováveis candidatos e saiba quais são as leis e prazos que regem a disputa pelo cargo de desembargadorComeçou a disputa pela vaga de desembargador, do 5º Constitucional obrigatório da Ordem dos Advogados do Brasil no Amazon...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook