Alta comissária da ONU está alarmada com ameaças a indígenas e defensores dos direitos humanos no Brasil

Alta comissária da ONU está alarmada com ameaças a indígenas e defensores dos direitos humanos no Brasil

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, disse nesta segunda-feira (13) que está preocupada com as ameaças que os povos indígenas e os defensores dos direitos humanos e ambientais sofrem no Brasil.

A declaração ocorreu durante a 50ª sessão do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, em meio ao desaparecimento do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, na região do Vale do Javari, no Amazonas. Os dois foram vistos pela última vez em um barco no rio Itaquaí no dia 5 de junho.

Michelle Bachelet ainda disse que está “alarmada” com “casos recentes de violência policial e racismo estrutural [no Brasil], assim como ataques contra parlamentares e candidatos, principalmente afrodescendentes, mulheres e pessoas que fazem parte da comunidade LGBTI+, antes das eleições gerais de outubro.”

“Apelo às autoridades para que assegurem o respeito pelos direitos fundamentais e instituições independentes”, concluiu.

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos anunciou nesta segunda-feira que não disputará seu segundo mandato, mas não revelou o motivo de sua decisão. Bachelet, de 70 anos, foi a primeira mulher a assumir a presidência do Chile e foi nomeada pelo secretário-geral da ONU em 2018 para assumir o cargo nas Nações Unidas.

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.