IMMU diz que não foi informado sobre greve; prefeito já pediu inclusão de rodoviários na prioridade de vacina

IMMU diz que não foi informado sobre greve; prefeito já pediu inclusão de rodoviários na prioridade de vacina

IMMU diz que não foi informado sobre greve; prefeito já pediu inclusão de rodoviários na prioridade de vacina. Foto: Reprodução

O Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) informa que foi pego de surpresa, por conta de uma paralisação não programada dos motoristas de ônibus do transporte coletivo que operam no terminal 1 (T1) e em outros pontos da cidade, na tarde desta quarta-feira, 19/5, na avenida Constantino Nery, zona Centro-Sul da cidade. O IMMU não recebeu nenhuma comunicação oficial, por parte do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários, sobre uma possível paralisação dos motoristas do sistema de transporte e suas motivações.

A Prefeitura de Manaus tem intermediado os acordos ao longo de 2021 com o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram), garantindo uma solução para o pagamento do salário dos trabalhadores, para que não haja a possibilidade de greve da categoria.

IMMU

Além das demandas salariais, o prefeito David Almeida entrou com um pedido, junto ao Ministério da Saúde, solicitando a inclusão dos motoristas e cobradores no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19.

O prefeito David Almeida não tem medido esforços para garantir que os trabalhadores do transporte público tenham seus salários pagos dentro da normalidade e que os usuários dos ônibus não sejam prejudicados com greves sem prévia programação.

Paralisação

Profissionais do transporte coletivo paralisaram as frotas dos ônibus neste quarta-feira (19), em forma de manifestação para pedir que sejam vacinados contra Covid-19, mais segurança e reajuste salarial.

A concentração principal da manifestação foi no recém inaugurado Terminal de Integração 1 (T1), localizado na avenida Constantino Nery, na zona Centro-Sul de Manaus.

Além do T1, os rodoviários também teriam se concentrado em outros locais da cidade. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) não emitiu uma nota oficial, porém informou que há uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 11a Região (TRT11), que prevê multa de R$ 200 mil para cada hora de paralisação irregular.

Na última informação repassada, eles informaram que os ônibus já estavam sendo liberados e a operação das atividades deles de volta ao normal. Devido ao ocorrido, o trânsito ficou congestionado em várias outras ruas que tem ligação com a avenida Constantino Nery e agentes de trânsito estiveram na área orientando condutores.

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.