Quinta-feira, 21 de junho de 2018

TJAM recolhe e encaminha para destruição 574 armas que estavam no interior

Foram recolhidas 574 armsa de fogo que estavam sob a guarda do Judiciário em cinco cidades. Eles vão para destruição pelo Exército. Foto: Arquivo TJAM

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) recolheu 574 armas de fogo que estavam sob a guarda do Poder Judiciário em Anori, Iranduba, Humaitá, Apuí e Novo Aripuanã, municípios do interior do Amazonas.

O armamento fazia parte de processos criminais e, após a devida identificação nos autos e catalogação, foi liberado para destruição pelo Exército Brasileiro.

Perícia

A orientação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) é que permaneçam no Judiciário somente aquelas armas que ainda estão passando por perícia ou as que são imprescindíveis para a elucidação de um crime, o que é um quantitativo mínimo.

Em novembro do ano passado, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, firmou um acordo de cooperação técnica com o Comandante do Exército para destruição de armas de fogo e munições apreendidas que estejam sob a guarda da Justiça.

O acordo tem validade de um ano e não envolve a transferência de recursos entre as instituições – cabe às partes arcar com eventuais despesas necessárias para seu cumprimento, de acordo com o site do CNJ.

Coletas

No Amazonas, as primeiras coletas ocorream em Anori e Iranduba, quando foram recolhidas 334 armas de fogo. Depois, foi a vez de três Comarcas da calha do rio Madeira, de onde foram trazidas mais 240 armas e até simulacros (armas de brinquedo) utilizados para a prática de crimes.

O recolhimento das armas das Comarcas do interior é uma recomendação da Presidência do TJAM para evitar a permanência desse tipo de material nos fóruns.

O trabalho é realizado de forma perene em todos os municípios. Desde 2011, a Resolução nº 134 do CNJ determina que os tribunais encaminhem as armas de fogo e munições apreendidas para o Comando do Exército a fim de serem destruídas, após elaboração de laudo pericial.

Veja também

Presidente Flávio Pascarelli inaugura novo Fórum Cível da capital Novo Fórum de Justica da capital foi inaugurado nesta quarta e passará a abrigar as Varas Criminais. Fotos: Raphael Alves/ TJAM O presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargador Flávio Pascarelli, inaugurou nesta quarta-feira (20), o novo fórum de jus...
Quatro juízes são promovidos para capital, por merecimento e antiguidade Quatro juízes são promovidos para capital, dois por merecimento e dois por antiguidade. Eles chegam à 2ª e última entrância da magistratura amazonense. Cid da Veiga Soares Júnior (na foto comandando audiência pública sobre pesca esportiva) troca Autazes por Manaus Os juí...
Quatro presos e quatro foragidos por aplicar golpe com faculdade falsa na capital e interior Foto: Divulgação Ellen da Silva Santos, de 33 anos (coordenadora do esquema), professora Meyre Jane da Silva, de 49 anos, a advogada Núbia Batista Pinheiro, professor Valdir Pavanello Junior,de 33 anos foram presos durante operação "Incautos" deflagrada na manhã desta te...
Novo desembargador fez 2,7 mil ligações a advogados, para ganhar na OAB-AM, e obteve unanimidade dos... Novo desembargador fez 2,7 mil ligações a advogados para vencer na OAB-AM e se tornar unanimidade entre os desembargadores, antes da chancela do governador. Na foto, na posse, ele abraça o atual presidente do TJAM, Flávio Pascarelli. Fotos: Raphael Alves/ TJAM/ Divulgação ...
Delegado Sotero, acusado de matar advogado no Porão, será ouvido em julho. Audiências continuam dias... Advogado do réu, Cláudio Dalledone, afirmou que o Sotero agiu em legítima defesa. Foto: Raphael Alves/ TJAM O cartório da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus agendou para 17 e 18 do próximo mês de julho a sequência da audiência de instrução do processo númer...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook