Seai e Polícia Civil prendem quadrilha que tinha laboratório de drogas em condomínio de luxo

Dois membros da quadrilha foram presos ontem durante operação coordenada pela Seai. Investigação teve início há 50 dias. Fotos: Valdo Leão/ Secom

William Bruno Vasconcelos da Silva, 28, e Hiran Miranda Braga Filho, 42, foram presos em flagrante nesta quinta-feira (25) por tráfico de drogas. Eles estavam com 35 quilos de maconha skunk.

A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), por meio da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai) e da Polícia Civil, apresentou a dupla nesta sexta-feira (26), durante coletiva de imprensa.

Quadrilha

Os dois fazem parte de uma quadrilha que mantinha um laboratório de refino e processamento de entorpecentes no condomínio Weekend no bairro da Ponta Negra, zona Oeste. Durante a prisão foi feita a apreensão de dois veículos e equipamentos usados para processar e embalar as drogas e enviá-las para fora do Estado.

As investigações estão em andamento sobre o envolvimento de mais pessoas nesse grupo criminoso, disse o vice-governador e secretário de Segurança, Bosco Saraiva.

Fábrica

“Uma fábrica de embalagem e invólucros que deixam imperceptível para os cães farejadores. Todas as características indicam que essa droga seria enviada para fora do país. Foi apreendida em um condomínio de prédios de classe média alta na Ponta Negra. Estamos combatendo à altura e essa é mais uma vitória das nossas forças de segurança”, disse.

Segundo o secretário executivo de Inteligência, Herbert Lopes, a Seai vinha monitorando os dois há pelo menos 50 dias.

Ontem, os investigadores monitoraram a saída da dupla para entregar drogas no Centro. O material seria enviado para a cidade de Oriximiná (PA). Após entregarem o entorpecente, os homens retornaram ao condomínio onde foram flagranteados.

Embalado

“É uma máquina, onde o produto é super embalado, na intenção de dificultar o faro dos nossos cães, mas a inteligência humana é bem atuante nessa questão. Eles são criativos e nós também. Antes essas drogas vinham fechadas de uma forma para tentar dissimular e hoje eles mudaram pra essa estratégia de conduzir e embalar”, destacou o delegado-geral da Polícia Civil, Mariolino Brito.

No apartamento alugado pelos dois, os investigadores encontraram um laboratório usado para o refino e a embalagem de drogas, como balanças de precisão e duas máquinas de embalagem a vácuo.

Além disso, foi apreendido um Honda Civic e um Cobalt, usado pela dupla para as ações do tráfico e a quantia de R$ 1,365.

Secretário de Segurança Bosco Saraiva contou que as investigações estão em andamento sobre o envolvimento de mais pessoas

PUBLICIDADE
Veja também
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.