Exclusivo: Christiane Torloni dá vida à ‘La Divina’ no palco do Teatro Amazonas

Christiane Torloni dá vida à Maria Callas no Teatro Amazonas. Foto: Marcos Mesquita/Divulgação

Tão intensa quanto as óperas que encenava, a apoteótica Maria Callas é considerada a maior soprano do século XX e ganhou vida novamente em um dos espetáculos mais aclamados e premiados da Broadway – o “Master Class”, que está rodando o Brasil e chega a Manaus para uma curta temporada, nos dias 1,2 e 4 de fevereiro, no palco do Teatro Amazonas. A “La Divina”, como era conhecida será interpretada pela premiada atriz Christiane Torloni, no mesmo papel que fora da gloriosa Marília Pêra, em 1996.

O espetáculo tem a direção geral de José Possi Neto e direção musical do maestro Fábio G. Oliveira. Os ingressos para as apresentações de “Master Class” em Manaus têm preços de inteira de R$ 100 (plateia), R$ 90 (frisas), R$ 80 (1º pavimento) e R$ 60 (2º e 3º pavs.). Pessoas com deficiência e acompanhante, estudantes, professores, idosos e doadores de sangue pagam meia-entrada. Os bilhetes podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Amazonas ou pelo site ingressando.com

O Portal do Marcos Santos entrevistou a atriz que falou um pouco sobre a sua relação com Callas e toda a preparação para esse grande e desafiador papel no teatro.

PMS – Quando você foi convidada a fazer a “La Divina”, qual sua reação?

CT: Normalmente eu produzo os meus espetáculos. Mas, no caso de ‘Master Class’, não sou produtora da montagem. Eu fui convidada. O processo de interpretação da Callas é o desdobramento de um grande processo de pesquisa que o José Possi e eu estamos fazendo há mais de 30 anos. Teve um momento, há mais ou menos 15 anos atrás que nós nos debruçamos na Callas. É muito incrível porque quando você se aproxima da Callas, a história dessa mulher é uma história de superação, desde o nascimento dela, pois ela foi recusada pela mãe nos primeiros dias. Então, esse é um espetáculo para você se apoiar em alguém que, mais do que tudo, não desistiu do seu belo.

PMS – Callas dizia que a voz não era um fim em si, mas um veículo para a expressão do drama. Você não canta no espetáculo,apesar de ser uma atriz completa que canta, dança e atua, mas isso foi você quem escolheu?

CT: Eu fiz aula de canto. Mesmo que você nunca cante em um musical, é importante para formação. Inclusive para entender o universo das orientações que ela traz aos cantores. Com meu professor no Rio de Janeiro comecei a estudar pela ária de Amina – personagem de Callas na ópera “La Sonnambula” – para poder entender em mim mesma o que ela faz, o quão difícil é o que ela faz. Você se apropria. Você vai fazer um pianista, você tem que entender o universo, mesmo que não vá tocar. Entender mentalmente, entender emocionalmente, porque isso muda a atitude física completamente.

PMS -Marília Pêra já esteve nesse mesmo papel na década de 1990. Você chegou a vê-la no palco? Caso haja, qual a diferença da Callas que ela interpretou para a sua atual?
A personagem foi feita magnificamente bem por Marília Pêra. E o texto que eu uso é o da Marília. Quando começamos a ensaiar o espetáculo, em 2015, a Marília ainda não tinha feito a passagem. Ela foi de uma generosidade imensa. É uma readaptação da gente e da própria Marília. Vimos com uma benção. A Marília dirigiu o primeiro espetáculo que eu fiz no teatro, que também foi a estreia dela na direção. Eu sinto uma passagem de bastão aí, que nem às vezes sinto na televisão. Você começa a herdar papéis, e isso é muito bonito.

PMS – Soube que você já tinha uma relação com a obra de “La Divina”. O que você tem de parecido com a Maria Callas? E como você a definiria?
CT: Somos mulheres, românticas. E tem uma questão, talvez seja o que mais me inspire, é que ela não tinha uma relação com alguém que a desafiasse. Era Callas que desafiava Callas. Isso é uma outra maneira de ver tudo. A maioria das pessoas tem o desafio de fora para dentro. Ela não, vinha de dentro dela. A maneira como ela entendeu as personagens dela, o olhar era como o de um pintor, que te faz olhar o mundo de outra maneira. Principalmente no que diz respeito às heroínas, ela é um guru, uma mestra, uma inspiração.

PMS – Mudando de assunto, soube que você será a vilã da próxima novela das 19h. Pode nos adiantar um pouquinho sobre essa personagem?
CT: Vou viver a Mercedes, uma adorável vilã que é dona de uma gravadora e está totalmente conectada com o mundo da música. A novela tem uma pesquisa muito boa sobre todos esses fatos que aconteceram entre os anos 1980 e 90, um momento de ouro no Rio de Janeiro, e tem como protagonistas Claudia Raia e Dira Paes. Vou fazer par romântico com Alexandre Borges. Vai ser uma novela solar, com muita referência musical. Estou adorando voltar a trabalhar com o diretor Jorginho Fernando.

 

Edição e reportagem: Bruna Chagas

Veja também

Corpo de homem é encontrado após ataque de piratas no Rio Negro Três pessoas foram obrigadas a pular da embarcação após serem rendidas pelo grupo de criminosos. Foto: Arquivo PMSO corpo de um homem foi encontrado no Rio Negro, na tarde deste sábado (17), próximo ao local onde três pessoas desapareceram, após serem atacados em uma em...
Veja Nota de Pesar pelo falecimento de Juan Villa emitida pelo Conselho Regional de Medicina. Velóri... Veja Nota de Pesar pelo falecimento de Juan Villa emitida pelo Conselho Regional de MedicinaO Conselho Regional de Medicina do Amazonas (Cremam) emitiu Nota de Pesar pela morte do cardiologista Juan Villa Benayeto. Ele faleceu neste sábado (17/02).Juan Villa era tam...
‘Ele foi um catalão que se tornou amazonense. Era meu compadre e quase irmão’, diz Franc... Juan Villa, que faleceu na madrugada deste sábado (17/02), integrou com Francisco Garcia turma de Medicina da Ufam que teve reconhecimento do curso só no quarto anoO empresário e ex-deputado federal Francisco Garcia tomou um susto ao saber da morte do médico Juan Villa....
Feira Criativa no Parque do Mindu passa ter duas edições por mês, a partir deste sábado Na última edição, realizada nos dias 27 e 28/1, a feira contou com 29 expositores. Foto: Divulgação SemmasA Feira Criativa, iniciativa que visa estimular o reaproveitamento de resíduos por meio da comercialização de produtos artesanais, passará a acontecer no Parque Mun...
Primeira etapa de obras na avenida Djalma Batista é concluída neste sábado O trabalho será realizado por etapas e atende a uma determinação do prefeito Arthur Virgílio Neto. Foto: DivulgaçãoA primeira etapa de obras para a recuperação da antiga rede de drenagem na zona Centro-Sul, no trecho que compreende a avenida Djalma Batista e a rua Pará,...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *