Torquato Jardim diz que indulto natalino é impessoal e não prejudica Lava Jato

Ministro explicou decreto que deixou mais brandas as regras para o perdão da pena de condenador por crimes cometidos sem violência ou ameaça. Foto: Divulgação

Um dia depois da publicação do decreto do presidente da República Michel Temer que deixou mais brandas as regras para o perdão da pena de condenados por crimes cometidos sem violência ou ameaça, como corrupção e lavagem de dinheiro, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse que a decisão de Temer é impessoal e não prejudica a Lava Jato.

Medida

Ao reconhecer que se trata de uma medida difícil de ser entendida pela sociedade brasileira, Torquato Jardim disse que o presidente da República, que é professor de direito constitucional e foi duas vezes secretário de Segurança do estado de São Paulo, entendeu que esse era o momento político adequado para se ter uma “visão mais liberal” da questão do indulto no direito penal.

De acordo com o ministro a medida levou em conta a superpopulação carcerária. “As cadeias estão superlotadas. Essa é uma realidade que não podemos ignorar. Os que vão deixar as cadeias são pessoas que não cometeram crime hediondo e não se valeram de grave ameaça,” afirmou.

Ainda em defesa do decreto ele disse que as regras não alcançam apenas crimes contra a administração pública, já que também incluem condenados por tráfico de pessoas, drogas, armas e crimes cibernéticos que, segundo ele, passaram a ser tratados neste ano com “abstração, impessoalidade e universalidade”, que são critérios da norma jurídica.

Críticas

Em resposta às críticas do coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, que afirmou que a medida “é um feirão de Natal para corruptos”, Torquato Jardim garantiu que o indulto não traz nenhum prejuízo à operação. “É sempre uma escolha filosófica e humanitária do presidente da República”, explicou.

Sobre o fato de não terem sido acolhidas as recomendações do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária e do Ministério Público, para que os crimes contra a admistração público ficassem fora da norma, Torquato Jardim lembrou que o conselho é um órgão de aconselhamento e que a decisão do presidente da República não é um ato judicial, nem do Ministério Público.

Transparência

Em nota publicada ontem, a Transparência Internacional diz que recebeu com “profunda preocupação” o decreto. “A frustração do efetivo cumprimento das penas impostas pela Justiça sinaliza à população que, com frequência, os corruptos e poderosos podem encontrar formas de escapar da Justiça, a despeito da gravidade de seus crimes”, diz o documento.

Estudos da Transparência Internacional sobre a utilização de instrumentos de perdão no mundo apontam que seu uso inadequado pode criar precedentes com potencial de minar o efeito dissuasório da Lei e a confiança no próprio Estado de Direito, favorecendo uma cultura de impunidade.

Novas regras

O decreto é assinado anualmente pelo presidente da República e estabelece regras para que o condenado possa receber o perdão da pena.

O de 2017 diminui para um quinto o tempo de cumprimento da pena para que o preso possa receber o benefício, independentemente do total da punição estabelecida na condenação. No ano passo, somente os sentenciados a no máximo 12 anos e que já tivessem cumprido um quarto da pena, foram beneficiados, desde que não reincidentes.

Veja também

Braga está fora da disputa para o Governo do Amazonas em 2018, diz levantamento do Estadão Operação Lava Jato mostra impactos no cenário político eleitoral para o ano que vem. No Amazonas, Braga faria a opção natural pela reeleição, e Vanessa Graziottin poderia tentar vaga na Câmara dos Deputados. Ambos são citados na investigação. Foto: ArquivoDa Redação e A...
Juiz federal do Amazonas revalida parte do acordo de leniência da J&F Parte do acordo firmado em junho pelo grupo e a Procuradoria da República foi revalidado pelo juiz federal amazonense Vallisney Oliveira. Foto: DivulgaçãoAgência Brasil e da RedaçãoUm mês após suspender o acordo de leniência da J&F para fins criminais, o juiz fe...
Juiz Federal da Lava Jato participará da II Conferência Estadual da Advocacia do AM O juiz Vallisney Oliveira faz palestra na próxima quarta-feira (4), no  Manaus Plaza Centro de Convenções. Foto: DivulgaçãoO Juiz Federal Vallisney Oliveira, titular da 10° Vara Federal, onde tramitam processos referentes às operações Lava Jato e Greenfield será um dos ...
Juiz amazonense Vallisney Oliveira pesa a mão e torna ex-presidente Lula réu pela sétima vez Juiz amazonense nos últimos meses deu ordem para Polícia Federal encontrar as malas com R$ 51 milhões do ex-ministro Geddel e agora torna Lula réu pela sétima vez, por acusação de vender MP para beneficiar montadoras. Foto: VallisneyDa Redação e AgênciasO juiz amazo...
Delator diz que Braga recebeu R$ 6 milhões para apoiar Dilma. Senador afirma que acusações são falsa... Ao contrário do que diz o delator, o senador Eduardo Braga afirma que não recebeu nenhuma doação do grupo J&F. Foto: DivulgaçãoO senador Eduardo Braga foi citado em depoimento do Diretor de Relações Institucionais e Governo na holding J&F, Ricardo Saud, em delaç...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook