Sábado, 21 de abril de 2018

Compra de imóvel de luxo avaliado em R$ 7 milhões era incompatível com rendimentos de José Melo, diz PF

José Melo foi detido em cumprimento a mandado de prisão temporária expedido pela Justiça do Amazonas. Padrão do ex-governador cassado foi investigado e era incompatível com rendimentos. Foto: Arquivo

O ex-governador do Amazonas José Melo de Oliveira foi preso durante a Operação Estado de Emergência, deflagrada na manhã desta quinta-feira (21).

A medida é resultado de investigação do Ministério Público Federal (MPF), da Polícia Federal e da Controladoria-Geral da União (CGU), que apontou que o ex-governador fazia parte do esquema criminoso de desvio de verbas da saúde, consistindo na terceira fase da Operação Maus Caminhos.

O mandado de prisão temporária, cumprido pela Polícia Federal, foi determinado pela Justiça Federal no Amazonas, após parecer favorável do MPF, em razão dos fortes indícios de que José Melo recebeu recursos em espécie de Mouhamad Moustafa, médico e empresário preso em 2016 pela Operação Maus Caminhos.

Além da prisão, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em sete imóveis residenciais e comerciais localizados na Região Metropolitana de Manaus.

Patrimônio

Análises realizadas pela CGU indicam que houve um aumento do patrimônio do ex-governador considerado incompatível com a renda dele, tendo em vista que o salário mensal de governador do Estado era estimado à época no valor de R$ 30 mil.

Nota técnica da CGU aponta indícios de enriquecimento de José Melo, especialmente em virtude da aquisição de um imóvel de alto valor, avaliado em cerca de R$ 7 milhões, além de reformas vultuosas em sítio também de sua propriedade.

A PF interceptou diálogo entre Mouhamad Moustafa e a advogada Priscila Marcolino, também denunciada no esquema de desvios na saúde, em que ele pedia a ela que sacasse R$ 200 mil, para que Mouhamad ficasse com R$ 500 mil em casa, pois havia recebido um pedido direto do “velhinho”, termo utilizado por ele para se referir a José Melo.

Em outra ocasião, utilizando aplicativo de mensagens, Mouhamad pede novamente à Priscila que realize um saque, pois o “Gov e o irmão” estavam implorando pelo recebimento de uma quantia de R$ 80 mil.

Movimentação

Conforme Relatório de Inteligência Financeira do Ministério da Fazenda, a movimentação financeira do ex-governador foi considerada incompatível com a renda dele, tendo sido detectados indícios de ilicitudes, como realização de saques e depósitos em valor atípico em relação à atividade econômica ou capacidade financeira de José Melo.

Também foram registrados saques em espécie em contas receptoras de transferências eletrônicas de várias origens em curto espaço de tempo, além de movimentação reiterada de recursos de alto valor em benefício de terceiros.

Evandro Melo

As investigações apontam que o ex-secretário de Estado de Administração e irmão do ex-governador, Evandro Melo, era uma espécie de intermediário entre Mouhamad e José Melo.

Evandro Melo foi preso no dia 13 deste mês, durante a deflagração da Operação Custo Político, relacionada ao envolvimento de agentes públicos em esquema de pagamento de propina com recursos públicos destinados à saúde do Estado.

Maus Caminhos

Em 2016, a Operação Maus Caminhos desarticulou um grupo que possuía contratos firmados com o governo do estado para a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales, em Manaus; da Maternidade Enfermeira Celina Villacrez Ruiz, em Tabatinga; e do Centro de Reabilitação em Dependência Química (CRDQ) do Estado do Amazonas, em Rio Preto da Eva. A gestão dessas unidades de saúde era feita pelo Instituto Novos Caminhos (INC), instituição qualificada como organização social.

As investigações que deram origem à operação demonstraram que dos quase R$ 900 milhões repassados, entre 2014 e 2015, pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS) ao Fundo Estadual de Saúde (FES), mais de R$ 250 milhões teriam sido destinados ao INC.

Presos

A apuração indica o desvio de R$ 50 milhões em recursos públicos, além de pagamentos a fornecedores sem contraprestação ou por serviços e produtos superfaturados, movimentação de grande volume de recursos via saques em espécie e lavagem de dinheiro pelos líderes da organização criminosa.

No dia 13 deste mês, foi deflagrada a Operação Custo Político, que prendeu 12 pessoas, entre elas ex-secretários estaduais de pastas como Saúde, Fazenda, Administração e Casa Civil, além de um coronel da Polícia Militar.

Conforme as investigações, o grupo recebeu, pelo menos, R$ 20 milhões em propina. Um dos secretários de saúde, à época de seu mandato, chegou a receber pelo menos 14 pagamentos de R$ 133 mil para favorecer o INC, desde a qualificação do instituto como organização social.

Outro pagamento identificado, também envolvendo um ex-secretário, totaliza R$ 5,6 milhões, pagos durante 18 meses em repasses de R$ 300 mil.

Veja também

Internautas reagem com dureza e ironia à depressão de Melo e emagrecimento de Edilene A matéria exclusiva do Portal do Marcos Santos revelando o quadro depressivo do ex-governador José Melo e o emagrecimento expressivo de sua esposa, Edilene Gomes, que é diabética e hipertensa, ganhou repercussão nas redes sociais. Os dois também enfrentam dificuldades pa...
Melo em depressão e Edilene 23kg mais magra oferecem casa dela no Osvaldo Frota para pagar fiança Melo em depressão e Edilene 23kg mais magra têm bens bloqueados e tentam usar os que restam para pagar fiança e sair da cadeia A ex-primeira-dama do Amazonas Edilene Oliveira está emagrecendo muito rapidamente. O novo advogado dela, Christian Naranjo, informa que o emagr...
Manaus vai sediar Seminário para combater hanseníase em comunidades O Seminário das Unidades de Referência: potencialidades e desafios rumo ao Brasil livre de Hanseníase - Região Norte, acontece entre os dias 25 e 27 de abril, na Fundação Alfredo da Matta (Avenida Codajás, 55 – Cachoeirinha), em horário integral, para os profissionais da...
José Melo decide ficar na cadeia até diminuir valor da fiança ou penhorar bem. Ele diz que não tem g... José Melo decide ficar na cadeia, alegando falta de grana e também por revolta com valor da fiança arbitrada. Na foto, ele e a ex-primeira-dama Edilene Oliveira, no auge do poder O ex-governador José Melo ficará na cadeia por não ter os R$ 190,8 mil cobrados de fiança. O...
José Melo e Edilene devem deixar Centro de Detenção amanhã para cumprir prisão domiciliar Melo e Edilene estão no presídio comum, em celas isoladas. Foto: Divulgação O Tribunal Regional Federal da 1ª Região deferiu parcialmente o Habeas Corpus em favor do ex-governador José Melo e da ex-primeira dama Edilene Melo, que foram presos no dia 26 de dezembro de 201...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook