Sábado, 21 de abril de 2018

MPF ajuíza ação para suspender licenças concedidas pelo Ipaam a garimpos no rio Madeira

Um dos municípios beneficiados foi Humaitá, onde há mais de um mês garimpeiros destruíram a sede do ICMbio após operação de fiscalização. Foto: Divulgação Corpo de Bombeiros

O Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas ajuizou ação civil pública, com pedido de liminar, contra o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) para que o órgão suspenda, por tempo indeterminado, as licenças concedidas para as atividades de extração de ouro no leito do rio Madeira. A área explorada pelo garimpo corresponde a mais de 37 mil hectares, na região sul do Amazonas.

Na ação, o MPF argumenta que o Ipaam não tem competência legal para conceder as licenças, pois a atividade está sujeita à fiscalização do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), já que os impactos ambientais decorrentes da lavra de ouro ultrapassam os limites territoriais de dois estados brasileiros.

O documento encaminhado à Justiça, assinado pelo procurador da República Aldo de Campos Costa, sustenta que o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) define, por meio da Resolução nº 237/97, a competência do Ibama para conceder o licenciamento ambiental de atividades com impacto ambiental significativo e direto para além dos limites de um ou mais estados. O MPF ressalta, ainda, que o artigo 7º da Lei Complementar nº 140/2011 fixa como atribuição da União promover o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades localizados ou desenvolvidos em dois ou mais estados.

Além da suspensão das licenças, a ação requer que o Ipaam se abstenha de emitir quaisquer licenças ambientais para a lavra garimpeira de ouro ou de qualquer outro recurso mineral no leito do rio Madeira, sob pena de aplicação de multa diária.

Pareceres contrários à exploração – Em mais de uma situação, o Ipaam concedeu licenças de operação sem elaboração e apresentação do estudo de impacto ambiental, contrariando até mesmo a legislação estadual. A situação causou perplexidade até mesmo no procurador do Ipaam, quando observou, em parecer juntado ao processo de licenciamento, não haver nenhuma menção do motivo pelo qual a legislação deixou de ser requerida.

De acordo com o MPF, também indica risco ao meio ambiente a autorização, conferida por meio da Resolução nº 11, de 9 de maio de 2012, do Conselho Estadual de Meio Ambiente do Amazonas (Cemaan), para a utilização de mercúrio nas atividades de lavra garimpeira, sem sequer existirem locais apropriados para a entrega do resíduo do material concentrado, após o uso.

A ação tramita na 7ª Vara Federal sob o número 1003598-84.2017.4.01.3200 e aguarda decisão judicial.

Necessidade de estudos – A ação civil pública também aponta os possíveis prejuízos causados ao meio ambiente pelas atividades de garimpo por conta da manipulação inadequada de mercúrio nos leitos dos rios. A substância é tóxica e provoca degradação superficial do solo e da cobertura vegetal, perda da qualidade da água, assoreamento dos leitos dos rios, contaminação por metais pesados, emissão de gases do efeito estufa e alteração da paisagem, destaca o MPF.

Em razão do risco ao meio ambiente, o pedido de liminar enfatiza a necessidade de elaboração de estudo prévio de impacto ambiental pelo Ibama, documento em que o instituto define diretrizes a partir das peculiaridades dos projetos de exploração e características ambientais das áreas que se pretende explorar.

Estudos científicos estimam que a garimpagem na bacia do rio Madeira tenha lançado no ambiente de 200 a 300 toneladas de mercúrio apenas entre os anos de 1987 e 1997. Concentrações altíssimas de mercúrio foram reportadas em poeira de rua sob influência de casas de comércio de ouro. A lavra garimpeira também trouxe consequências graves para as populações ribeirinhas do rio Madeira. Pesquisa realizada em 2013, a partir de cabelos humanos de 312 indivíduos de populações ribeirinhas da bacia do curso d’água, mostrou que a grande maioria dos grupos analisados exibia concentrações de mercúrio maiores que os níveis considerados normais e, pelo menos a de um grupo, em São Sebastião do Tapuru, apresentava os sintomas de contaminação descritos pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A presença do acúmulo de metais pesados no leito do Rio Madeira também repercutiu negativamente na fauna subaquática, presente a poluição química e a alteração das características físicas e químicas da água e do ar

Veja também

Fiscais apreendem madeira retirada ilegalmente de reserva no rio Negro Ipaam apreendeu no rio Negro 11 metros cúbicos de madeira para azimbre que estava sendo transportado em barco tipo batelão. Foto: Divulgação Agentes da Gerência de Fiscalização Ambiental (Gefa) do Instituto de Proteção do Meio Ambiente (Ipaam) apreenderam no início da ma...
Mais de 10 kg de droga são interceptados em Humaitá. Droga seria encomenda de traficante preso na ci... PMs receberam denúncia anônima sobre drogas transportadas pela BR-319. Encomenda estava com adolescente. Foto: Divulgação Policiais militares que compõem a “Equipe Bravo”, do 4° Batalhão de Policia Militar, localizado em Humaitá (distante 590 quilômetros de Manaus), pren...
PM apreende adolescente e recupera seis bicicletas elétricas furtadas em Humaitá A partir de denúncia, equipe da Força Tática chegou aos adolescentes e recuperou seis bicicletas furtadas na cidade. Foto: Divulgação Três adolescentes, um de 14 anos e outros dois de 15, foram apreendidos nesta segunda-feira (26) por policiais militares da Força Tática,...
Durante operação da PF para prender criminosos e incendiários, BR-319 ficou fechada; veja fotos e ví... Um comboio de 25 carros e 120 agentes e federais integraram a operação que começou movimentação desde a madrugada de hoje. Fotos: Divulgação Os atentados a imóveis e veículos registrados em outubro de 2017, com uma série de incêndios registrados em Humaitá (distante 69...
Prefeito e outros 12 são presos por causa dos incêndios no Ibama e ICMBio de Humaitá. PF faz operaçã... PF fechou principal acesso para a cidade na rodovia BR-319, enquanto deflagra Operação Lex Talionis. Fotos: Divulgação O prefeito de Humaitá (distante 697 quilômetros de Manaus), Herivaneo Seixas, e alguns vereadores e secretários, totalizando 13 pessoas, foram presos ne...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook