Professora Ylsa Honório

Felix Valois

Felix Valois

A professora Ylsa Vieira Honório foi um ícone do ensino fundamental, que deixou marca indelével em sucessivas gerações de amazonenses. Faleceu na última sexta-feira, aos noventa e nove anos, e se, no plano geral, o fato causou inegável consternação, no âmbito familiar o impacto foi formidável. É que, sendo este modesto escriba casado com sua filha única, somos, minha companheira e eu, responsáveis pelos quatro netos e os oito bisnetos que lhe fizeram as alegrias da velhice. E que por ela tinham aquele venerando respeito que só a idade avançada sabe conquistar e impor, sutil e inapelavelmente. A partida da velhinha, portanto, só podia mesmo deixar saudades e lágrimas, que foram derramadas por olhos sinceros e enternecidos.

Era uma professora da velha guarda. “Menino vai à aula para aprender”, parece ter sido a máxima que orientava superiormente sua atividade no magistério. Seguiam-se-lhe os corolários, entre os quais avulta a obrigação do mestre de usar de todos os recursos para corrigir as condutas desviantes dos moleques que, por preguiça ou malandragem, se mostrem infensos aos ensinamentos. E vinha a palmatória como instrumento importante nesse processo corretivo, numa época em que não se ouvia falar nessa frescura de “bullying”, mas, em compensação, nenhum aluno ia armado para a escola nem dava soco na cara do professor.

Velhos tempos. Acho que não exageraria, nem resvalaria para o sentimentalismo, se disse também “bons tempos”. A escola pública era padrão e o ensino particular mera possibilidade para os que, dispondo de meios, se podiam dar a esse luxo. Os “grupos escolares” funcionavam a contento e, com eficiência, preparavam a criança para enfrentar o estágio seguinte, naquela época conhecido como “ginasial”. Foi nesses grupos, todos eles integrantes da rede pública, que dona Ylsa exerceu suas atividades, chegando a dirigir pelo menos dois deles, o “Euclides da Cunha” e o “Princesa Isabel”. Aposentada, não conseguiu fugir ao chamado irresistível da vocação e persistiu no magistério, montando escolinha no quintal de sua própria residência, aonde mães, já então angustiadas com a decadência do ensino público, levavam suas crias na busca de suprir as manifestas deficiências.

Era ela, a minha sogra, de uma família de professoras. Quando morreu sua irmã, dona Maria Lúcia Vieira da Rocha, há seis anos, escrevi o seguinte: “Como suas irmãs Ylsa, Ana Rosa, Alda, Nilda e Dalva, atuou numa época em que o ensino público era respeitado e buscado principalmente pela excelência das aulas ministradas. Ensinava-se com amor e dedicação e as crianças encontravam um ambiente escolar acolhedor, onde, entre outras coisas, aprendia-se a cantar o Hino Nacional, hoje relegado a segundo plano, talvez em favor das melodias harmoniosas entoadas pelas duplas sertanejas.

Da minha parte, não tive o privilégio de ser aluno de nenhuma delas. Conheço-lhes, entretanto, a reputação e posso ter como parâmetro o próprio Grupo Escolar “Princesa Isabel”, onde fiz o curso àquela época chamado de primário. Lá, dona Olga Rocha e dona Neusa Lemos eram da mesma cepa. Conseguiam nos desemburrar sem alarde, sem violência e sem sofisticação. As sabatinas, é claro, tinham o ingrediente da régua com que o autor da resposta correta mimoseava as mãos dos que tinham negligenciado o estudo. “Quem descobriu a América?” – A pergunta era formulada ao primeiro à direita no semicírculo que se formava em frente ao estrado, de onde a professora comandava a tarefa. Sem resposta, a indagação ia sucessivamente adiante, até que um sabido mostrasse o mínimo do conhecimento necessário e, então, a régua era chamada à responsabilidade”.

Rendo, com isto, o último tributo a uma mulher que passou pela vida com a sublime missão de permitir que crianças brasileiras pudessem ter acesso ao conhecimento. Isso seria suficiente para lhe enaltecer a grande figura. Mas acho que nenhum epitáfio lhe poderá fazer maior justiça do que aquele que traçou sua bisneta, a Heleninha, na doce inocência de seus quatro anos. Disse-me ela: “Vovô, eu estou muito triste porque a bisa morreu”. Estamos todos.

* Félix Valois é advogado, professor universitário e integrou a comissão de juristas instituída pelo Senado Federal para elaborar a proposta de reforma do Código de Processo Penal.

Veja também

Guias do IPTU 2018 já podem ser emitidas via internet A estimativa é de uma arrecadação de R$ 220 milhões do IPTU 2018, ou seja, 52,5% do valor lançado neste exercício. Foto: Marcio James/Semcom. A Prefeitura de Manaus concluiu nesta quinta-feira, 18/1, o lançamento anual do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em seu ...
Provas do concurso da Semed serão aplicadas no domingo para mais de 22 mil candidatos Os candidatos que estão concorrendo às 400 vagas para professor e formação de cadastro de reserva da Secretaria Municipal de Educação (Semed) vão realizar as provas neste domingo, 21/1. A avaliação será realizada pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Executivo (Ibad...
Corpos Artísticos do Amazonas oferecem vagas com salários de até R$ 5,5 mil As vagas são para bolsistas, músicos profissionais, coralistas e bailarinos profissionais. Foto: SEC/Divulgação A Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC), por meio do Governo do Amazonas, iniciou inscrições para Processo Seletivo, com audição interna e extern...
Dia Nacional do Fusca será comemorado com exposição de carros antigos Pelo menos 150 fuscas vão ficar expostos no Largo de São Sebastião. Foto: Divulgação Neste domingo (21/1), a partir das 8h, o Largo de São Sebastião será cenário de uma exposição de carros antigos em comemoração ao Dia Nacional do Fusca. O evento, que tem entrada franca, s...
Serviço: advogados lutam por vaga de desembargador. Veja os prazos e nomes de concorrentes Advogados lutam por vaga no TJAM. Veja alguns prováveis candidatos e saiba quais são as leis e prazos que regem a disputa pelo cargo de desembargadorComeçou a disputa pela vaga de desembargador, do 5º Constitucional obrigatório da Ordem dos Advogados do Brasil no Amazon...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook