Prisão de mentora intelectual do massacre do Compaj e esposa do Zé Roberto da FDN está nas mãos da Justiça

Esposa de Zé Roberto, Luciane Albuquerque, 29, teve a prisão preventiva pedida pela promotoria. Ela é uma das 213 pessoas denunciadas por envolvimento no massacre do Compaj. Foto: Arquivo

Denunciada como mentora intelectual do maior massacre em presídio do Amazonas, entre a trinca de comando da facção criminosa Família do Norte (FDN), junto com Gelson Carnaúba, o “Mano G”, João Pinto Carioca, o “João Branco”, e o marido, José Roberto Fernandes Barbosa, o “Zé Roberto”, a parintinense Luciane Albuquerque de Lima, 29, tem pedido de prisão preventiva solicitado à Justiça.

Ela está no rol das 213 pessoas denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) pelo homicídio triplamente qualificado, tortura e vilipêndio (desrespeito à cadáveres) de 56 presos durante a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em janeiro deste ano.

O massacre é considerado o maior dentro do sistema prisional do Brasil, desde o de Carandiru, em 1992.

Segredo de Justiça

O pedido está nas mãos do juiz de Direito Anésio Rocha Pinheiro, titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri, que deve decidir se acata a prisão solicitada pelo promotor Edinaldo Medeiros. O processo corre em segredo de Justiça.

Luciane Albuquerque foi identificada como a emissária principal da ordem para a chacina, entregando a carta com a ordem para a matança com aval do mentor do crime, seu marido, chamado de “capo de tutti capi”, o chefe de todos os chefes da FDN. Ele é um dos fundadores da facção criminosa, hoje preso na Penitenciária Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

PCC

A investigação confirmou que o massacre aconteceu quando a trinca da FDN ordenou a morte de integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), rival da facção amazonense. Na denúncia, as penas de acusação de homicídio somam mais de 2,2 mil anos.

De acordo com o MP, a partir de relatos e vídeos de Whatsapp, divulgados pelos próprios acusados, os presos empregaram meios cruéis, como fogo e asfixia, e impossibilitaram a defesa das vítimas, já que elas estavam desarmadas e confinadas em celas.

Uma outra motivação apontada extraoficialmente para a matança seria de ordem pessoal, em razão de um estupro ocorrido contra a esposa de José Roberto, pelo traficante e homicida Márcio Pessoa da Silva, o “Marcinho Matador”, do PCC.

Exibicionismo

O exibicionismo nas redes sociais facilitou a identificação, especialmente dos que cometeram atrocidades durante o verdadeiro extermínio do PCC e de presos vulneráveis, como estupradores.

Além da prisão de Luciane, o MP deve pedir extensão da permanência dos líderes da FDN nos presídios federais, evitando uma convulsão no sistema penitenciário do Estado, que não é estável. Contra 205 dos 213 denunciados já há mandados de prisão expedidos e a maioria está detida.

Olhos humanos

Os detentos rivais foram mortos a tiros, estocadas, facadas e pauladas, muitos sendo degolados, esquartejados e queimados. Houve tortura, barbarie e atrocidades, como decapitações e presos obrigados a comer olhos humanos de outros já executados.

Luciane foi o elo entre “Zé Roberto” e os presos do Compaj, e sua liberdade, segundo a promotoria, pode interferir na ordem pública e na instrução criminal, dando acesso a testemunhas, réus e vítimas.

Veja também

Após tiroteio entre membros do PCC e FDN, líder de facção é preso no Nossa Senhora de Fátima Ismale Sena (camisa branca) foi detido em cumprimento a mandado de prisão após investigações da PC, com interceptação telefônica. Ele é alvo antigo e apontado como líder do PCC. Fotos: Divulgação PC-AM Apontado pela polícia como um dos líderes da facção criminosa Prime...
Veja a lista de 15 mortos por “Sandrinho”, traficante ex-FDN que impunha lei do silêncio... Acusado de envolvimento direto ou como mandante de pelo menos 15 mortes, traficante "Sandrinho" está de volta ao regime fechado do Compaj. Ele se tornou independente, após começar carreira na FDN. Foto: Divulgação PC-AMAcusado de envolvimento direto ou de ser o mandante...
Xerife da FDN será julgado em abril pelo assassinato do delegado Oscar. João Branco estará no banco ... Operação Constantinopolis cumpriu mandado de prisão em desfavor de Diego Bruno, que também é réu no famoso caso do delegado Oscar Cardoso. Ele sentará no banco dos réus em abril. João Branco responde pelo mesmo crime. Foto: Divulgação PC-AMMesmo preso cumprindo sentença...
Irmão de traficante que comandava tráfico de dentro da cadeia se apresenta no DRCO e é preso Diego Bruno, 19, foi envolvido na organização criminosa que seu irmão, "Diego Nariz", comandava de dentro da prisão. Foto: DivulgaçãoO quinto alvo da Operação Contantinopolis, deflagrada nesta segunda-feira (19), para desarticular uma organização criminosa ligada ao trá...
Xerife da FDN, “Diego Nariz” comandava tráfico na zona Sul de dentro do Ipat. Organizaçã... Operação Constantinopolis deflagrada hoje desarticulou organização criminosa comandada por "Diego Nariz", xerife da FDN, que atuava de dentro do presídio. Foto: David Batista/ PMSCondenado por tráfico de drogas a cinco anos da prisão, Diego Bruno de Souza Moldes, o "Die...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook