Convulsão febril é um dos problemas mais comuns na infância. Veja como identificar e proceder

A febre é uma condição comum na infância, principalmente nos primeiros anos de vida e causa grande preocupação nos pais. Embora na maioria dos casos o aumento da temperatura é apenas um sintoma de infecções ou inflamações, em alguns casos pode levar à convulsão febril, também chamada de crise convulsiva febril.

A convulsão febril é um dos distúrbios neurológicos mais comuns na infância e atinge de 2% a 5% das crianças entre três meses e cinco anos de idade. Estima-se que nessa faixa etária irá ocorrer pelo menos uma crise epilética decorrente da febre igual ou maior que 37,8 graus. A explicação é que o cérebro das crianças ainda está em desenvolvimento e, por isso, é mais suscetível às convulsões febris.

Segundo Dra. Andrea Weinmann, neuropediatra e sócia-diretora do Centro Neurológico Weinmann, a convulsão febril está relacionada à febre igual ou maior que 37,8 graus, sem ligação com infecções intracranianas ou outras causas neurológicas. “Isso quer dizer que para ser considerada uma convulsão febril não devem estar presentes quadros de meningite ou de encefalite, por exemplo. Normalmente, a crise ocorre no primeiro dia da febre e ainda não está claro se é mais relacionada com o pico da temperatura ou com a velocidade com que a febre aumenta”. Em alguns casos a febre ocorre minutos ou horas após convulsão.

Para a tranquilidade dos pais, na maior parte dos casos, a convulsão febril é uma condição benigna e as crianças que já tiveram uma convulsão febril não apresentam diferenças na inteligência, crescimento do tamanho da cabeça o de comportamento quando comparadas às crianças que nunca tiveram crises. Por outro lado, uma convulsão febril aumenta em 2,5% o risco de desenvolver epilepsia, principalmente se há histórico familiar da condição e se a convulsão febril for classificada como complexa.

Como identificar uma convulsão febril
De acordo com Dra. Andrea, a convulsão febril simples começa repentinamente e pode durar de 2 a 15 minutos. “A situação pode ser desesperadora para os pais, mas é preciso manter a calma. A criança pode perder a consciência, apresentar espasmos nos braços e nas pernas, virar os olhos para cima e pode ter dificuldade para respirar. Não coloque os dedos nem nenhum objeto na boca da criança”.

“O ideal é colocar a criança em uma superfície macia e de lado para evitar um possível engasgamento ou obstrução da respiração. Se possível, conte o tempo da crise, pois isso é muito importante para o médico. Se a crise durar mais que 5 minutos, chame o SAMU ou leve a criança a um serviço médico de urgência”, diz a médica.

“Quando a crise é prologada, ou seja, com duração maior que 15 minutos, ou ocorre repetidas vezes, o que é menos comum, é chamada de convulsão febril complexa e requer uma avaliação neurológica mais apurada”, comenta Dra. Andrea.

Fatores de Risco
O principal fator de risco para apresentar uma convulsão febril na infância é ter histórico familiar de convulsão febril entre parentes de primeiro grau, como os pais e irmãos. Crianças que frequentam creches, tiveram alta tardia da maternidade e/ou apresentam um desenvolvimento mais lento apresentam maior chance de ter uma crise convulsiva febril. Elas também estão relacionadas a eventos pós-vacinais e viroses.

De acordo com Dra. Andrea, em 30% dos casos há recorrência da convulsão febril, principalmente entre os seis meses e três anos de idade. Alguns fatores aumentam essa probabilidade, como idade precoce da primeira crise (antes de um ano de idade) e histórico familiar. Quanto menor o intervalo entre um evento febril e outro, maior a chance de recorrência da convulsão.

Diagnóstico e tratamento
O médico irá fazer uma avaliação clínica. Em crianças menores que 18 meses, com sinais sugestivos de meningite ou ainda naquelas que apresentam um estado clínico mais comprometido, poderá ser preciso colher o líquor para descartar infecção no sistema nervoso central.

Além disso, quando a crise é classificada como complexa, outros exames podem ser solicitados, de acordo com o quadro clínico e suspeita diagnóstica.

Mas, felizmente, em 70% dos casos a convulsão febril só ocorre uma vez, sem nenhuma sequela. O mais importante é manter a calma e procurar um serviço de saúde

Veja também

Manaus vai sediar encontro da ANS sobre regulação de Planos de Saúde A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está preparando mais uma edição do Encontro ANS, evento direcionado aos agentes do setor para discutir temas relacionados à regulação do mercado de planos de saúde. A atividade ocorrerá nos dias 21, 22 e 23 de novembro, em Ma...
Amazonas é destaque no encerramento da COP23, na Alemanha  O “Amazonas for the planet program”, lançado pelo Governo do Amazonas na 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP23), em Bonn, na Alemanha, foi destaque nesta sexta-feira (17/11), no encerramento do evento. Com a participação de 197 países empenhad...
Governo do Amazonas inicia processo de licitação para construir três novos presídios no interior do ... Foto: Stéfany Seixas/ SeapPor determinação do governador Amazonino Mendes, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) encaminhou à Comissão Geral de Licitação (CGL) processos para abertura de certame visando a contratação de empresas especializad...
Uma surpresa Eis senão quando, vejo-me “autor”. Conto como ocorreu o fenômeno: agindo à sorrelfa, numa trama digna de “thriller” cinematográfico, meus quatro filhos reuniram alguns destes escritos que eu cometo semanalmente, convenceram uma editora e publicaram o conjunto em forma de um ...
Arthur defende liberação da maconha, homossexuais e privatização. E pode renunciar em abril Arthur está de boltanao belho estilo que polemiza e inquietaA Revista Exame, da Editora Abril, coloca o prefeito Arthur Virgílio entre os que renunciarão em abril de 2018. O jornal espanhol El País é mais contundente. Mostra um Arthur que defende da privatização total à...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook