Vó Virgínia, Tia Mariquinha, Zeca Xibelão e dona Maria do tacacá para ajudar a entender Parintins

Dona Maria e a Festa do Carmo estão entre as tradições parintinenses, que sejam feitas de indivíduos ou de multidões, estão sempre presentes

A formação do povo de Parintins, responsável pelo Festival Folclórico de Caprichoso e Garantido e pela Festa do Carmo, que acaba de surpreender pelo público espetacular, é sempre motivo de polêmica. Sabe-se pouco, mas alguns personagens estão na raiz dessa gente, pelo caráter emblemático e as lições que deixaram.

Tia Mariquinha, mãe de Zeca Xibelão, o tuxaua do Caprichoso que dá nome ao curral do bumbá, foi das primeiras tacacazeiras da cidade. A banca dela, na Rio Branco, tinha um mix de guloseimas onde o bolo de macaxeira marcou a memória gustativa da garotada da época. E deve explicar parte daquela energia que impulsionava o papagaio, a manja, o banho de rio e o futebol cotidianos.

Xibelão, história amplamente divulgada, imprimiu um jeito tão peculiar à dança do tuxaua que nunca mais será esquecido.

A primeira tacacazeira ainda não havia partido e dona Maria, da esquina do Colégio Brandão de Amorim (avenida Amazonas com Gomes de Castro), começou a montar a banquinha dela. Conte-se aí meados da década de 1970 e veremos que lá se vão mais de 40 anos até a triste notícia desta segunda (17/07): dona Maria partiu.

O que fez ela, tacacazeira, de tão especial? Pergunte aos milhares de parintinenses adotivos, que registraram nas redes sociais o quanto dona Maria tornou seu tacacá sinônimo de Parintins. Como? Com persistência. Todos os dias, alta ou baixa temporada, lá estavam as mesas, as cadeiras e o tacacá, goma, tucupi, jambu, camarão seco e salgado, cheiro-verde e cebola sempre no ponto.

Dona Maria é um símbolo de como se constroem as tradições. A banquinha dela foi uma lição de marketing: o tacacá era sempre o mesmo e fazia quem o provava sair pelas esquinas do mundo à procura de outro igual.

Tia Mariquinha? Sim, meu pai também foi “filho” da Preta Virgínia, minha querida avó, que o levou para casa quando, aos cinco anos, o pequeno Caiá se viu órfão. A mãe falecera e o pai se embrenhou no mato, em busca da própria sobrevivência.

Virgínia, que deu seu nome a uma prima querida, ainda morando em Parintins, adotou várias crianças e imprimiu nelas a força de um caráter reto, sem mácula, que a transformou em conselheira da cidade. “Ela era quase um padre”, recorda minha mãe, aos 97 anos. “Todos iam pedir conselhos dela”.

A “preta”, como o politicamente correto da época permitia tratar, criou e casou oito filhas. Com ela não tinha essa conversa de namoro atravessado. Minhas “tias” foram incorporadas à família. E o caráter da matriarca foi inscrito no DNA de cada um dos filhos, biológicos ou adotivos.

Dona Maria, a pranteada tacacazeira, é parte dessa tradição de gente humilde, que vai em frente e segura o rojão, como dizia Gonzaguinha. É daí que nasce e cresce o parintinense, cioso das tradições e disposto a um sacrifício a mais pela história de seu povo.

Vá em paz, dona Maria. Deixe um pouco desse tacacá que tia Mariquinha preparou para recebê-la. Será uma alegria reparti-lo numa roda com papai e vovó Nega Virgínia. E, se não for demais, preparem as duas uma sucessora. Rapidinho. A tradição de melhor cuia do Norte precisa continuar.

Veja também

Secretaria de Segurança oferece emissão de RG em domicílio e hospitais para grupos prioritários O Instituto de Identificação Aderson Conceição de Melo (IIACM), vinculado à Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), está promovendo atendimento prioritário com o objetivo de intensificar o procedimento de emissão de 2ª via do Registro Geral (RG) par...
Técnicos tentam provar que desvio da saúde foi com verba estadual e não federal. Veja pareceres Técnicos tentam provar que verba desviada era estadual e não federal. Se conseguirem, todos os presos nas operações Maus Caminhos, Custo Político e Estado de Emergência estarão livresO que todos previam está acontecendo. Movimento de técnicos do Governo do Amazonas tent...
Universo Geek leva mais de 6,5 mil pessoas ao Palacete Provincial Personagens do mundo geek lotaram os corredores e salões do Palacete Provincial. Fotos: Michael Dantas/SECMilhares de fãs de super-heróis, quadrinhos, animes, séries e gêneros do mundo geek lotaram os corredores e salões do Palacete Provincial na primeira edição do Univ...
Veja como identificar problemas auditivos nas fases de crescimento das crianças A audição infantil precisa ser testada e exercitada desde cedo. Isso é fundamental, já que as crianças aprendem a falar naturalmente na medida em que ouvem os pais, nos primeiros anos de vida. Crianças que demoram mais para falar ou são muito dispersas e distraídas podem...
Manaus FC vence Nacional por 1 a 0 na abertura do Amazonense 2018 Gol do Manaus FC saiu aos quatro minutos de jogo. Foto: DIvulgaçãoCom gol do meia Hamilton no início do primeiro tempo, o Manaus FC venceu o Nacional por 1 a 0 na tarde deste sábado, 20 de janeiro, na primeira rodada do Campeonato Amazonense 2018. A partida foi no estád...

6 comentários para “Vó Virgínia, Tia Mariquinha, Zeca Xibelão e dona Maria do tacacá para ajudar a entender Parintins

  1. Xico Branco disse:

    Belo texto! E uma boa oportunidade para muitos entenderem como esse tacacá tem por trás um simbolismo pra vida e pra história de Parintins, pelas mãos de D. Maria.

  2. Mercinha Marinho disse:

    Excelente texto, Marcos Santos!

  3. Francisco Santos da Silva disse:

    A leitura do portal do Marcão, como o trato, é uma necessidade diária, não apenas para os parintinenses radicados em Manaus, mas para todos os amazonenses que apreciam a boa leitura, lá e aqui, certamente. Um manancial para os profissionais mais experientes e, claro, uma fonte de conhecimento para os neófitos. Acessem!!

  4. José Roque Nunes Marques disse:

    Belíssimo e emocionado registro da história de dona Maria, Marquinha e Virgínia – mulheres de fibra e caráter!

  5. Paulo Lobato Teixeira disse:

    Essa maneira poética de falar e de cantar a nossa terra e a nossa gente – que o Marcos Santos faz com muito sentimento e de forma talentosa -, já era dominada pelos gregos desde Homero, como se vê na Odisseia e na Iliada.
    Parabéns, Marcos. Continue nos presenteando com seu belo trabalho.

  6. Alexis Uchôa disse:

    A Vida ! Chega o Dia da despedida, uma lenda que se foi, agora permancera na memoria do Povo de Parintins e do Amazonas. DEUS ilumine o caminho dela na vida eterna. Ass : Alexis Uchôa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook